IRPH realiza palestra “Vitrais”, no Theatro Municipal, e lança o programa “Patrimônio, Arte e Cooperação”

Publicado em 30/09/2019 - 12:15 | Atualizado em 01/10/2019 - 16:04
Da esquerda pra direita: Juliana Oakim; Aldo Mussi; Manoel Vieira; Cláudia Escarlate; Valéria Hazan e Johannes Bloos (Foto: Athur Tezolim)Da esquerda pra direita: Juliana Oakim; Aldo Mussi; Manoel Vieira; Cláudia Escarlate; Valéria Hazan e Johannes Bloos (Foto: Athur Tezolim)

A busca de parcerias institucionais em prol da preservação do nosso patrimônio cultural. Foi com esse objetivo que o Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH) – órgão da Secretaria Municipal de Urbanismo do Rio de Janeiro (SMU) -, idealizou o programa “Patrimônio, Arte e Cooperação”, lançado nesta sexta-feira, 27/09, durante a realização da palestra “Vitrais”.

O evento foi uma realização do IRPH, em parceria com o Theatro Municipal e apoio do IPHAN. A ideia é que técnicos do Rio de Janeiro possam ser capacitados para a conservação dos vitrais que existem na cidade. Na primeira etapa do programa, o acervo carioca de vitrais foi colocado em evidência, tendo como objeto de estudo a coleção do Theatro Municipal do Rio de Janeiro.

Na cerimônia de abertura, a presidente do IRPH, Cláudia Escarlate, falou sobre o projeto: “O programa alia a necessidade de recuperação de importantes conjuntos artísticos existentes em nossa cidade à capacitação de profissionais locais para atuarem na gestão, conservação e restauração do nosso patrimônio. A ideia é aproveitar as oportunidades, pegar o gancho da Rio 2020 e dar luz a esses temas, seja o da conservação de vitrais, a conservação das pedras portuguesas, enfim, uma infinidade de coisas. Até para que essas habilidades não se percam e, falando especificamente em relação aos vitrais, para que a gente possa trazer, por que não,  os vitrais para a arquitetura do futuro”, afirmou Cláudia.

Além da presidente do IRPH, também compuseram a mesa a diretora-executiva do Comitê Rio 2020, Valéria Hazan; o superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – RJ, Manoel Vieira Gomes Júnior; o presidente da Fundação Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Aldo Mussi Teixeira; e o Cônsul-Geral adjunto da República Federal da Alemanha no Rio de Janeiro, Johannes Bloos.

Em suas falas, a importância dessa cooperação institucional, dessa união de esforços para que com isso o programa de fato aconteça, cresça, se expanda e a sociedade como um todo ganhe com a preservação de nosso patrimônio. Valéria Hazan falou sobre o título que o Rio de Janeiro ganhou de “Primeira Capital Mundial da Arquitetura”: “É, obviamente, um título bastante relevante.

O Rio vai sediar o 27º Congresso Mundial de Arquitetos, em 2020. Por isso, será também a oportunidade para pensarmos sobre o futuro. Uma boa oportunidade também para unir forças e reinventar esses profissionais todos da cadeia urbanística e arquitetônica, desde os calceteiros, vitralistas, arquitetos, engenheiros”, disse Valéria, convidando todos a visitarem o site da Rio2020, que já está no ar: http://www.riocma2020.rio

Parceria é a palavra-chave:

Já o superintendente do IPHAN, Manoel Vieira Gomes Júnior, comentou: “É uma honra para o IPHAN ter recebido esse convite do IRPH. Entendo que esse é mesmo o caminho: um esforço conjunto para conseguirmos preservar os nossos vitrais, a nossa cultura, o nosso patrimônio. Quero aqui aplaudir a iniciativa do município do Rio em favor da conservação e do restauro dos nossos vitrais.”

Helder Viana, arquiteto do IRPH, Mestre em Projeto e Patrimônio, Especialista em Gestão e Restauro Arquitetônico e um dos idealizadores do programa explica que a ideia é trabalhar cinco eixos temáticos para a realização desse programa como um todo. São eles:

1) Realização de cursos, palestras, workshops e seminários visando a capacitação dos profissionais que atuam na gestão, conservação e restauração de vitrais, com a participação de especialistas internacionais;

2) Elaboração de um manual de conservação e restauração de vitrais em Língua Portuguesa;

3) Elaboração do Inventário dos Vitrais do Theatro Municipal;

4) Realização de um seminário internacional com o tema provisório “A conservação de vitrais e a sustentabilidade do setor vitralista”, com a participação de instituições acadêmicas internacionais especialistas da área;

5) Criação de roteiros para visitação de vitrais durante o 27º Congresso Mundial de Arquitetos/UIA2020RIO.

“Temos muito trabalho pela frente, mas estamos felizes com o pontapé inicial do projeto e com a união de esforços que já começou a acontecer. Esse evento de hoje é a prova disso. Tivemos aqui IRPH, IPHAN, Theatro Municipal, órgãos do estado e do município, tivemos também o cônsul alemão. Todos unidos e com o mesmo objetivo. Isso é muito bom. Agora, é seguirmos em frente”, comentou Helder.

Após a mesa de abertura, teve início a mesa redonda mediada por Catherine Gallois, que contou com a fala de Marisa dos Santos Assumpção, arquiteta, chefe de Serviço de Arquitetura e Conservação da Divisão de Engenharia, Arquitetura e Conservação da FTMRJ; de Mariana Wertheimer, Mestre em Memória Social e Patrimônio Cultural, Técnica em Conservação e Restauração de Vitrais, Diretora da ACOR/RS; e de Helder Viana, que falou sobre “Os Vitrais e suas Relações.”

Encerrando o evento, o público participou de uma visita guiada pelo Theatro Municipal para ver de perto os belos vitrais da casa.

Início da visita guiada que o grupo fez para ver os vitrais do Theatro Municipal
Início da visita guiada que o grupo fez para ver os vitrais do Theatro Municipal
  • 30 de setembro de 2019