Coronavírus: Prefeitura inspeciona farmácias denunciadas por comercialização ilegal de testes rápidos 

Publicado em 14/04/2020 - 19:08 | Atualizado
Nesses dois dias, a Vigilância Sanitária fiscalizou 14 farmácias. Foto: Divulgação

A Prefeitura do Rio de Janeiro, por meio da Subsecretaria de Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses, inspecionou farmácias da cidade com foco na venda e realização de testes rápidos para o novo coronavírus, nesta terça-feira (14/04). Técnicos da Coordenação de Saúde fiscalizaram nove estabelecimentos, cinco foram em Botafogo e quatro na Barra da Tijuca.  Assim como na ação iniciada nesta segunda-feira (13/04), nenhuma evidência foi constatada sobre a comercialização do produto, que é restrita a unidades hospitalares, de acordo com a regulamentação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A única infração aplicada pelos fiscais foi em uma farmácia da Barra da Tijuca pela venda de álcool 70% em gel sem registro.

Nesses dois dias, a Vigilância Sanitária fiscalizou 14 farmácias. Ao todo, foram seis infrações, todas por questões sanitárias essenciais à prevenção do novo vírus. Além da veda irregular do álcool em gel, os fiscais encontraram falta de dispensadores de sabão líquido e de papel-toalha, armazenamento de medicamentos em temperatura inadequada, produtos controlados com livre acesso na ausência de farmacêutico e aplicação de injetáveis sem autorização para tal atividade. Mais que fiscalizar, as equipes também reforçam nas inspeções as orientações para que os estabelecimentos se adequem às normas sanitárias, sempre lembrando a importância de a população registrar pelo 1746, qualquer indício de irregularidade.

– Pela legislação, a venda e a realização de testes rápidos para Covid-19 não estão liberadas para estabelecimentos farmacêuticos, e a partir dessas primeiras denúncias nossos técnicos já estão atuando nas inspeções de rotina também com foco em conferir esta irregularidade. Os que forem flagrados na prática desde procedimento irregular podem ter os produtos descartados, receber intimações, infrações e até sofrer uma interdição total, de acordo com as sanções previstas em leis – alerta o coordenador de Saúde da Vigilância Sanitária, Virgílio Adonai.

A vistorias nas farmácias integram as inspeções direcionadas iniciadas no dia 19 de março pela Vigilância Sanitária, que mantém equipes de plantão 24 horas para atender demandas da Central 1746 e também apoiar ações coordenadas pela Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop).