Prefeitura entrega mais 242 crachás do Programa Ambulante Legal

Publicado em 29/04/2019 - 16:16 | Atualizado em 01/05/2019 - 09:42
Prefeitura entrega crachás da segunda etapa do Programa Ambulante Legal no Palácio da Cidade, em Botafogo - Marcos de Paula/Prefeitura do Rio

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, entregou nesta segunda-feira,  29/4, mais 242 crachás de identificação do Programa Ambulante Legal. Desde que o projeto foi lançado, em agosto de 2018, a Prefeitura já recadastrou sete mil ambulantes e distribuiu 1.168 novos documentos com QR Code, reforçando o combate ao comércio irregular.

— Esse crachá é a qualificação de um novo horizonte. A energia que vocês têm para ficar de segunda a sexta-feira, às vezes no final de semana, sob chuva, sol, poeira, tentando vender alguma coisa para sobreviver, se bem canalizada, essa energia pode vislumbrar um futuro extraordinário. A história mostra que vários grandes empresários começaram como ambulantes – disse Crivella, que fez questão de entregar o cartão pessoalmente a cada um dos ambulantes, durante o evento no Palácio da Cidade, em Botafogo.

Prefeito Marcelo Crivella entrega crachás da segunda etapa do Programa Ambulante Legal no Palácio da Cidade, em Botafogo – Marcos de Paula/Prefeitura do Rio

Preocupado com a crise financeira que atingiu o município nos últimos anos e provocou a perda de 350 mil vagas de emprego, o prefeito tem dado atenção especial à categoria. Já foram distribuídas 600 novas licenças para ambulantes.

Irenita Candido Gonçalves, de 47 anos, é uma das pessoas contempladas. Ela conta que a barraca de roupas infantis, no Centro de Campo Grande, sempre foi a principal fonte de renda da sua família.

— Falei pro meu filho que agora estou empregada. Sinto muito orgulho porque foi com o dinheiro de camelô que consegui pagar a faculdade dele. Agora, poderei trabalhar com mais tranquilidade, sem me preocupar em ter que correr quando a fiscalização aparecer – disse a ambulante.

Mauricio Antonio de Souza, de 65 anos, também estava feliz por receber o novo crachá. Ambulante na Praia de Copacabana desde 2007, ele elogiou a iniciativa da Prefeitura de fazer o recadastramento.

— Tenho observado uma atenção maior do município sobre a categoria, que antes era marginalizada. O ambulante deve ser estimulado a sempre se regularizar, porque só assim terá tranquilidade para trabalhar.

O documento de identificação dos ambulantes dispõe de QR Code, código de barras bidimensional de resposta rápida que permite não só à fiscalização, mas também a população acessar informações como o nome, o número de inscrição, e as mercadorias que o ambulante está autorizado a comercializar. Além disso, por meio da tecnologia, também é possível verificar o local em que aquele ambulante pode atuar na cidade.

O documento de identificação dos ambulantes dispõe de QR Code – Marcos de Paula/Prefeitura do Rio

Os documentos foram entregues aos titulares de licenças para comércio ambulante que atuam nos bairros de Copacabana, Leme, Méier, Calçadão de Bangu, Campo Grande e Santa Cruz. Também participaram do evento Carlos Guerra, representante da Secretaria de Fazenda, o secretário de Ordem Pública, Paulo Cesar Amêndola e a inspetora da Guarda Municipal, Tatiana Mendes.

O Ambulante Legal pretende organizar e facilitar a identificação dos ambulantes autorizados a trabalhar nos logradouros públicos, propondo, inclusive, a implantação de políticas públicas de qualificação profissional aos trabalhadores.

O programa já alcançou sete bairros da cidade. Além de Copacabana, Leme, Méier, Feira do Calçadão de Bangu, Campo Grande e Santa Cruz, a política de ordenamento urbano também foi implantada na região de Madureira.