Prefeitura fiscaliza camelódromo da Uruguaiana em ação de combate à pandemia do coronavírus

Publicado em 04/06/2020 - 17:31 | Atualizado em 04/06/2020 - 18:05
Força-tarefa vai ao local para impedir o funcionamento de lojas não essenciais, a presença de ambulantes irregulares e evitar aglomerações. Foto: Divulgação / Prefeitura do RioForça-tarefa vai ao local para impedir o funcionamento de lojas não essenciais, a presença de ambulantes irregulares e evitar aglomerações. Foto: Divulgação / Prefeitura do Rio
A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), realizou nesta quinta-feira, 04/06, ação para fiscalizar o comércio na área do camelódromo da Uruguaiana, no Centro da cidade. O objetivo era impedir o funcionamento de lojas não essenciais, a presença de ambulantes irregulares na região, evitar aglomerações e proteger a população do risco de contaminação pelo novo coronavírus. Durante a tarde, a operação seguiu  para bairros da Zona Sul.

A força-tarefa da Prefeitura é uma ação conjunta de profissionais da Subsecretaria de Operações da Seop, Guarda Municipal, Subsecretaria de Licenciamento, Fiscalização e Controle Urbano (da secretaria de Fazenda) e Comlurb.


Ação em Madureira orientou 135 ambulantes


Como resultado da ação em Madureira, nesta quarta-feira (03/06), os agentes orientaram 135 ambulantes a desocuparem o espaço público e fecharam 15 estabelecimentos em desacordo com o decreto municipal de combate à pandemia. O bairro da Zona Norte é um dos 11 com bloqueios parciais e que não estão incluídos na primeira fase do plano de retomada das atividades econômicas da cidade. Com isso, continua proibida a abertura de lojas de móveis e decorações, concessionárias e agências de automóveis, e a presença de ambulantes legalizados nesta e nas outras dez áreas com restrição de circulação (em Santa Cruz, Cascadura, Méier, Pavuna, Tijuca, Guaratiba, Realengo, Taquara, Freguesia e Grajaú), além dos calçadões de Campo Grande e Bangu.

Durante a operação, a maioria dos estabelecimentos (310 dos 390 fiscalizados) estavam fechados. Os essenciais, como farmácias e açougue, passaram por inspeção sanitária. Já com ambulantes irregulares, foram apreendidos uma moenda de cana, dois botijões de gás, 50 maços de cigarro, 160 potes de plástico e cerca de 150 quilos de frutas. Também foram encontradas e descartadas garrafas de vidro com bebidas alcoólicas, que são proibidas nesse tipo de comércio. Cerca de 150 quilos de resíduos sólidos foram recolhidos das ruas.

Ocorrência – Por volta das 16h30, uma equipe da Guarda Municipal foi ofendida e atacada com pedras por um grupo de pessoas na Estrada do Portela. Três homens foram identificados e detidos pelos guardas municipais por desacato, resistência e desobediência. A ocorrência foi registrada na 29ª DP (Madureira). Ninguém ficou ferido.

Números – Em mais de dois meses de operações, a Seop registrou 25.150 estabelecimentos fiscalizados, com 17.950 pontos comerciais fechados, de 18 de março a 3 de junho. Já as equipes do Disk Aglomeração (outra frente de fiscalização coordenada pela pasta) atenderam 8.568 ocorrências desde 31 de março. Os bairros mais demandados pelo serviço de dispersão de pessoas, com base em chamados à Central 1746, são: Campo Grande, Realengo, Bangu, Santa Cruz, Barra da Tijuca, Taquara, Tijuca, Centro, Copacabana e Recreio dos Bandeirantes.
  • 4 de junho de 2020