Prefeitura do Rio vai contratar leitos particulares se ocupação na rede municipal chegar a 100%

Publicado em 17/04/2020 - 16:56 | Atualizado
Leito do Hospital Municipal Ronaldo Gazolla. Foto: Mariana Ramos / Prefeitura do RioLeito do Hospital Municipal Ronaldo Gazolla. Foto: Mariana Ramos / Prefeitura do Rio
O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, disse nesta sexta-feira (17/04) que a Prefeitura vai contratar leitos privados para tratamento dos infectados pelo novo coronavírus, se a ocupação da rede municipal de saúde chegar a 100%. O prefeito mostrou-se preocupado quanto à curva ascendente da Covid-19, visto que os equipamentos comprados, entre os quais respiradores, chegarão em duas levas, nos fins deste mês e de maio.

– Estamos chegando ao momento crítico de enfrentamento dessa doença. Todo o sacrifício que fizemos não pode ser jogado fora agora que a curva (de casos) se acelera – afirmou Crivella, que projetou sua inquietação em metáfora:

– Fazendo uma comparação, estamos construindo nossa arca, e não é possível que, por imprudência, a gente antecipe o dilúvio. Nós temos que estar com a arca pronta para quando o dilúvio chegar, que é o ponto máximo de inflexão da curva de contaminação – completou.


Edital para pagar por leitos privados


Marcelo Crivella disse que a Prefeitura vai publicar edital para pagar por leitos em hospitais particulares e a população não ficar desatendida, caso as unidades municipais ainda não estejam inteiramente equipadas.

– Vamos contratar leitos privados neste período em que ainda não estiverem equipados, dependendo da chegada dos aparelhos da China, o hospital de campanha no Riocentro e o Ronaldo Gazolla, em Acari. Vamos publicar um edital para isso. Não vamos arrestar, vamos pagar o mesmo que o governo federal estipulou, para termos a garantia de que o colapso não vai chegar nesse momento – afirmou.


Afastamento social e decreto para uso de máscaras nas ruas


Após se reunir pela manhã por três horas, em gabinete virtual com a comunidade científica do Rio de Janeiro, Crivella declarou que a recomendação à população é para manter o afastamento social neste momento crítico em que a curva de casos da Covid-19 se acentua.

– Nesse período, não podemos de maneira nenhuma correr o risco de ter contaminação em massa, sobretudo daquelas pessoas que têm comorbidades e mais de 60 anos. Renovo o apelo pelo afastamento social e à consciência de cada um para ficar em casa e só sair se absolutamente necessário, tomando cuidados – disse.

O prefeito disse que vai baixar um decreto para que os trabalhadores dos estabelecimentos abertos e as pessoas que forem às ruas usem máscaras como prevenção.

Para auxiliar no cumprimento de decreto, Prefeitura vai distribuir 1,8 milhão de máscaras, que estão em produção pelas 500 costureiras contratadas pela Secretaria de Assistência Social.

– A partir de agora, por meio de um decreto, fica proibido o trânsito nas ruas sem o uso de máscara. Eu peço a todos que precisam sair de casa que usem máscara. Podem ser essas que estão na internet, feitas em casa, com tecido e um elástico atrás da orelha. Já fizemos um sacrifício grande, faltam poucas semanas para a gente vencer essa curva e retomar nossas atividades – disse Crivella, incluindo servidores da Prefeitura entre os usuários obrigatórios das máscaras.