Rio+Seguro chega à Cidade Universitária da UFRJ, na Ilha do Fundão

Publicado em 09/06/2019 - 10:10 | Atualizado em 10/06/2019 - 13:34
Ilha do Fundão ganha policiamento do Rio+Seguro, parceria da Prefeitura com a UFRJ. Foto: Maurício Val/Prefeitura do Rio

A Prefeitura do Rio de Janeiro lançou sexta-feira, dia 7, o Rio+Seguro Fundão, programa voltado para atuação na área da Cidade Universitária da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O convênio – fruto de parceria entre a Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop) e a Prefeitura da UFRJ – deu início à ação, que prevê reforço de 23 agentes (13 PMs e 10 GMs) por dia, divididos em turnos, para o patrulhamento das vias da Ilha do Fundão.

As equipes contam com três viaturas e quatro motocicletas para realizar rondas de segunda a sexta, das 6h à meia-noite, e aos sábados, das 6h às 18h, períodos de maior movimento de público da universidade. A sede do Rio + Seguro Fundão funcionará na Praça Jorge Machado Moreira (atrás do Instituto de Estudos de Saúde Coletiva – IESC).

– Fizemos uma parceria com a prefeitura do Fundão para estar com nossos guardas municipais e também com a Polícia Militar. A mesma coisa que fizemos em Copacabana, exitosamente, agora será feita no Fundão – disse o prefeito Marcelo Crivella, durante a cerimônia, no Palácio da Cidade.

Primeira prisão

Equipes do Rio+Seguro Fundão efetuaram neste sábado, dia 8, a primeira prisão do projeto. Um homem, de 54 anos, foi flagrado furtando tapumes de alumínio que cercavam o Centro Tecnológico da universidade, após desprendê-los com um martelo, depredando o patrimônio público. A ocorrência foi registrada na 37ª DP (Ilha do Governador).

A Cidade Universitária é a segunda área a receber o programa pioneiro. Implantado no dia 3 de dezembro de 2017 em Copacabana e Leme em apoio à segurança pública, o Rio+Seguro utiliza reforço diário de policiais militares (contratados durante a folga) e guardas municipais em ações de patrulhamento urbano, além de promover a integração com outros órgãos municipais e estaduais para a resolução de problemas de ordenamento.

– Não vai ser só a segurança não, será como em Copacabana, onde a gente atuou em parceria fazendo tapa-buraco, consertando calçadas, podando árvores, desentupindo ralos. Vamos apoiar a prefeitura do Fundão em todas essas obras que cabem à Prefeitura do Rio –  afirmou Crivella.

Diferentemente da operação em Copacabana e Leme – que também contempla o Parque Garota de Ipanema, no Arpoador -, em que a Prefeitura arca com o pagamento de PMs por meio do PROEIS (Programa Estadual de Integração na Segurança), o Rio+Seguro Fundão será custeado pela UFRJ com investimento de aproximadamente R$ 2 milhões por ano.

– Temos apoio da iniciativa privada e do próprio Fundão, com isso a Prefeitura ganha mais condições financeiras. Estamos investindo ali em torno de 200 mil reais por mês, um pouco mais que isso. Eu diria que 60 a 70 por cento é da iniciativa privada, através de empresas que contribuem e colaboram com o Fundão – explicou o prefeito.

Assim como na Zona Sul, o programa contará com emprego de tecnologia e inteligência em suas ações. É prevista a integração de câmeras utilizadas no monitoramento do campus ao sistema do Centro de Controle Operacional (CCO) da Guarda, no Centro de Operações Rio (COR). E um canal direto de comunicação entre a comunidade e os agentes será aberto por meio de um número exclusivo de WhatsApp.

– Tenho certeza de que as pessoas do Fundão vão estar muito mais seguras, a presença das viaturas, dos guardas, as ruas vão estar mais iluminadas. Nós vamos aperfeiçoando, se precisar melhorar a gente vai aprimorando ao longo do serviço, é caminhando que se abrem os caminhos, o primeiro passo foi dado agora”-  disse Crivella.

Em 18 meses da atuação em Copacabana e Leme, o Rio + Seguro colhe diversos resultados. A seguir um balanço das principais ações do programa que agora chega ao Fundão:

Polícia Militar e Guarda Municipal

  • 708 detidos (prisões em flagrante, contravenção penal, cumprimentos de mandado, entre outras ocorrências)
  • 482 apreensões de crianças e adolescentes
  • 128 cumprimentos de mandados: 108 (prisão) e 20 (busca e apreensão)
  • 627 ocorrências atendidas pelas equipes formadas por PMs e GMs. Entre elas, apreensões de produtos piratas (7.565 itens, entre óculos, chinelos, roupas e outros), de dispositivos de clonagem de cartões bancários (22 “chupa-cabras”) e de máquinas caça-níqueis (24).
  • 5.919 ocorrências atendidas pelos grupamentos da GM-Rio, 70% delas referente à fiscalização de posturas (4.286), incluindo orientação para a retirada de animais da faixa de areia (2.007) e proibição de prática esportiva (como altinho) em desacordo com a legislação municipal (259), entre outras condutas relacionadas à má utilização de equipamentos ou logradouros públicos.

A Guarda Municipal apreendeu ainda 36.721 materiais, totalizando 89.087 materiais retidos somados aos das ações da Coordenadoria de Controle Urbano (CCU), e aplicou 5.929 autuações.

Fiscalização de ambulantes

A Coordenadoria de Controle Urbano (CCU), da Secretaria Municipal de Fazenda (SMF), já fiscalizou mais de mil ambulantes nos bairros de Copacabana e Leme em ações integradas e de rotina. As operações resultaram em 52.366 itens apreendidos.

Estacionamento e transporte irregulares

As coordenadorias de Fiscalização de Estacionamentos e Reboques (Cfer) e Especial de Transporte Complementar (CETC), ambas da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), removeram 2.689 veículos por estacionamento em local proibido e transporte irregular de passageiros nos dois bairros cariocas. Somente este ano, foram removidas cinco vans piratas na área e aplicadas 152 multas ao transporte complementar.

Vigilância Sanitária

A Subsecretaria de Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses (Subvisa) realizou desde o início do programa 3.724 inspeções em estabelecimentos comerciais, resultando em 752 infrações, com 168 interdições (totais e parciais) e cerca de meia tonelada (504 kg) de alimentos inutilizados.

Podas de árvores

Em apoio ao Rio + Seguro, a Comlurb executou 5.292 podas de vegetais em Copacabana. O serviço segue a rotina operacional da Companhia e tem como objetivo solucionar conflitos com placas de sinalização, câmeras de segurança, iluminação pública e fachadas, em atendimento a demandas registradas na Central de Atendimento 1746 da Prefeitura.