Prefeitura flagra 137 tipos de medicamentos de uso controlado sem nota fiscal em ação de prevenção à Covid-19

Publicado em 20/04/2020 - 19:20 | Atualizado em 20/04/2020 - 22:23
Fiscais encontraram psicotrópicos e ansiolíticos em situação irregular. Foto: Nelson Duarte/Divulgação

A Prefeitura do Rio de Janeiro, por meio da Subsecretaria de Vigilância Sanitária, interditou parcialmente nesta segunda-feira, 20/04, uma farmácia em Copacabana, zona sul da cidade. Fiscais encontraram 137 tipos de psicotrópicos e ansiolíticos em situação irregular.

Na inspeção que teve o apoio de policiais da 12ª DP  (Copacabana), a equipe constatou o armazenamento de cerca de 400 caixas de medicamentos controlados (como sibutramina, diazepam, alprazolam e limbtrol) em temperatura e local inadequados.

Além disso, o proprietário não apresentou qualquer documentação nem receita para todos os produtos, o que caracterizou a comercialização ilegal dos remédios, muitos até fora da validade. O estabelecimento foi multado por falta de comprovantes de dedetização e de limpeza do reservatório de água e de problemas estruturais no prédio, e recebeu três intimações para providenciar a nota fiscal, as adequações estruturais exigidas e o comprovante de descarte dos produtos.

A ação faz parte das inspeções direcionadas que a pasta vinculada à Secretaria Municipal de Saúde (SMS) vem fazendo desde 19 de março para conferir irregularidades referentes ao coronavírus (Covid-19), e entra no segundo mês com uma novidade: a ampliação das equipes responsáveis pelas fiscalizações nos estabelecimentos farmacêuticos.

– Em função do crescimento da demanda de farmácias e drogarias, identificamos a necessidade de aumentar as inspeções nesses estabelecimentos. Com a readequação de técnicos, já começamos hoje (20/04) a atuar com o dobro de fiscais. Isso nos permitirá fazer ações diárias em diferentes regiões da cidade – informa Pedro Paulo Ferraz, coordenador de Fiscalização Sanitária da Vigilância Sanitária.

– Os produtos estavam em local indevido, sem controle de temperatura, sem palete para armazenamento e a escada de acesso ao estoque estava quebrada, colocando em risco os funcionários – destacou Lilian Yien, farmacêutica da Coordenação de Saúde da Vigilância.

A ação desta segunda-feira integra as inspeções específicas que a Vigilância faz desde 19 de março, muitas delas em atendimento a denúncias registradas na Central 1746. Em um mês, a operação direcionada já passou por quase 800 estabelecimentos, entre mercados, pets, hortifrútis e demais comércios autorizados a funcionar durante a pandemia, com mais de 160 infrações aplicadas.