Coronavírus: Prefeitura apresenta ao MP as ações de prevenção realizadas em instituições de idosos e para pessoas com deficiência

Publicado em 28/04/2020 - 12:35 | Atualizado em 28/04/2020 - 13:00
Ação de técnicos da Vigilância Sanitária em asilos - Nelson Duarte/Prefeitura do Rio

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), apresentou nesta segunda-feira, 27/04, no webnário organizado pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), as medidas de enfrentamento ao coronavírus que vêm sendo adotadas nas Instituições de Longa Permanência para Idosos (as ILPIs ou asilos) e nas voltadas à assistência a pessoas com deficiência. No encontro on-line de mais de três horas, técnicos detalharam os procedimentos de prevenção a serem praticados por profissionais e também administradores dessas unidades.

Aberto pela promotora de Justiça Cristiane Branquinho, o webnário foi transmitido pelo canal do Ministério Público no YouTube, alcançou cerca de 400 internautas e contribuiu para o esclarecimento de uma série de dúvidas em relação à prevenção à Covid-19.

– Esse evento é muito importante, considerando as características da população que reside nessas instituições, que bem sabemos serem pessoas frágeis, muitas delas com comorbidade. Então é necessário ter atenção especial a esse público – afirmou a promotora Cristiane Branquinho.

As palestras foram feitas por técnicos da Superintendência de Vigilância em Saúde, da Coordenação de Reabilitação da Pessoa com Deficiência, da Coordenação de Vigilância Epidemiológica e da Subsecretaria de Vigilância Sanitária.

 

– Essa foi mais uma grande iniciativa que reúne órgãos com ações essenciais no enfrentamento ao coronavírus para tratar da prevenção de riscos à saúde pública. O melhor trabalho é o de equipe, desenvolvido junto e com a mesma finalidade. Desde o início de março estabelecemos uma série de protocolos para padronizar os critérios de prevenção nessas instituições. Aqui pela Vigilância, vamos disponibilizar uma cartilha abordando essas questões e teremos nos próximos dias uma nova regulamentação com o roteiro de inspeções nas ILPIs, o que vai facilitar o entendimento dos processos e melhorar as práticas – adianta a médica-veterinária Márcia Rolim, subsecretária de Vigilância Sanitária do Rio.

 

Os pontos dessa nova regulamentação foram explicados na palestra da enfermeira Maria Cláudia Castelo, da Coordenação de Saúde da Vigilância Sanitária. Entre as questões destacadas estão a intensificação da higienização dos ambientes; a orientação para o não compartilhamento de utensílios, como copos, pratos e talheres; a higiene dos manipuladores; e os cuidados na lavagem das roupas e no manejo de resíduos.

– Essa interface com outros segmentos é fundamental para aprimorarmos as ações de identificação do risco sanitário, criarmos estratégias para a implementação dos protocolos de boas práticas dos serviços de saúde e minimizarmos possíveis surtos – destacou Maria Cláudia.

Já Cida Vidon, coordenadora de Reabilitação da Pessoa com Deficiência da SMS, falou sobre os principais cuidados nas instituições que atendem a pessoas com deficiência.

– Essas unidades também devem se adequar às rotinas de cuidados para proteger não só as pessoas atendidas, mas todos os que nelas atuam. É importante ressaltar que as pessoas com deficiência não ficam vulneráveis pela deficiência em si, mas sim pelo agravamento que pode ocorrer no quadro de Covid. Pensemos numa pessoa que não consegue se expressar e logo vamos perceber que é preciso redobrar a atenção e o olhar a elas – explicou Cida Vidon.

Participaram também da apresentação no webnário a assessora especial de Vigilância em Saúde, Patrícia Guttmann; a superintendente de Vigilância em Saúde, Nadja Greffe; e o coordenador de Vigilância Epidemiológica, Flávio