Campanha alerta para a prevenção à hanseníase e ao preconceito

Publicado em 30/01/2022 - 10:46 | Atualizado
A Turma da Mônica entrou na campanha para conscientizar sobre o Janeiro Roxo, mês dedicado a alertar a população sobre a doença

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS-Rio), com apoio do Instituto Mauricio de Sousa, lança campanha que busca combater o estigma e o preconceito sobre a hanseníase, por meio de suas redes sociais. O post propõe que “o melhor remédio para o preconceito é a informação” e traz a Turma da Mônica para ilustrar um importante recado. A ilustração foi criada para conscientizar sobre o Janeiro Roxo, mês dedicado a alertar a população sobre a doença e a orientar para o tratamento, oferecido em todo o país pelo SUS. Hoje, 30 de janeiro, é o Dia Mundial de Combate e Prevenção à Hanseníase.

Negligenciada pela sociedade, que transformou a pauta em um grande tabu, a hanseníase faz parte do cotidiano do brasileiro. De acordo com dados do Ministério da Saúde, o Brasil é o segundo país com maior número de casos da doença no mundo, atrás apenas da Índia. Quando o recorte é a cidade do Rio de Janeiro, cerca de 300 casos são identificados anualmente. E, mesmo diante desse cenário, a patologia continua sendo alvo da desinformação e do preconceito, o que torna cada vez mais urgente os esforços dos órgãos em prol da conscientização sobre a importância do diagnóstico precoce e seu tratamento.

A hanseníase é uma doença infecciosa curável, que provoca lesões na pele e afeta os nervos periféricos. A enfermidade pode acometer pessoas de ambos os sexos em qualquer faixa etária e, se não for tratada a tempo, pode levar a severas deformidades físicas. O diagnóstico é realizado por meio de consulta médica em todas as clínicas da família e centros municipais de saúde. O doente não necessita de isolamento e pode – e deve – seguir com a sua vida normal, enquanto faz o tratamento com a medicação fornecida gratuitamente pelo SUS.

Os sintomas da doença incluem lesões com alteração de sensibilidade na pele, caracterizadas por manchas esbranquiçadas ou avermelhadas, caroços e/ou placas pelo corpo. Geralmente, as lesões não incomodam os pacientes, uma vez que não coçam, não ardem ou doem. Porém, os enfermos também podem apresentar febre e mal-estar, olhos ressecados, inchaço e dores nas mãos, pés e articulações, áreas com falhas de pelo, perda das sobrancelhas, nariz frequentemente entupido e fisgadas e sensações de choque nos cotovelos e tornozelos, entre outros sintomas.

Sobre o Instituto Mauricio de Sousa (IMS)

Fundado nos anos 90, o IMS realiza projetos, campanhas e ações sociais focados na construção de conteúdos que, por meio de uma linguagem clara e lúdica, estimulam o desenvolvimento humano, a inclusão social, o incentivo à leitura, o respeito entre as diferenças, a formação de cidadãos conscientes e conhecedores de seus deveres e direitos.

 

Veja a campanha no ar:

Facebook: https://fb.watch/aSigeohB4Z/

Instagram: https://www.instagram.com/reel/CZWtgBGJYtH/?utm_medium=copy_link

  • 30 de janeiro de 2022