Coronavírus: Disk Aglomeração atende 1.438 chamados e Zona Oeste segue na liderança

Publicado em 09/04/2020 - 14:14 | Atualizado em 09/04/2020 - 15:02
Ação em Jacarepaguá fechou estabelecimentos que desrespeitavam decreto que proíbe aglomerações. Foto: Marco Antonio Rezende/Prefeitura do Rio

O Disk Aglomeração da Prefeitura do Rio realizou 1.438 atendimentos para dispersar grupos de pessoas, em nove dias de funcionamento. Os bairros mais demandados são: Campo Grande, Centro, Bangu, Realengo, Tijuca, Santa Cruz, Barra da Tijuca, Copacabana, Recreio dos Bandeirantes e Taquara. O serviço é coordenado pela Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop) e funciona com base em chamados para a Central 1746. Nesta semana, a iniciativa ganhou um reforço tecnológico: o uso de sinais de celulares para detectar pontos de aglomeração, a partir de uma parceria com a operadora de telefonia TIM e o Centro de Operações Rio (COR).

A nova ferramenta identifica locais com aglomeração de pessoas com base no sinal emitido pelas antenas de aparelho celulares dos usuários. Esses dados chegam ao sistema que está exposto em telões do Gabinete de Crise montado no Riocentro. Os dados são atualizados de tempos em tempos no painel. Além disso, câmeras da prefeitura poderão ser utilizadas para complementar as informações. Caso sejam verificadas concentrações de pessoas em áreas públicas que possam representar um risco de propagar o vírus, uma equipe da Prefeitura será enviada ao local para orientar os cidadãos.

Central 1746

Já os chamados que chegam pela Central 1746 são filtrados na base operacional do Riocentro, por prioridade e por região, para otimizar as ações. A partir daí, cerca de 30 agentes (guardas municipais do Grupamento de Operações Especiais e policiais militares do Programa Rio+Seguro), divididos em cinco equipes, são destacados exclusivamente para os atendimentos. A prioridade é para demandas específicas à finalidade do serviço, como aglomerações em estabelecimentos comerciais essenciais e áreas públicas de lazer.

Distância e placas

As ações visam fiscalizar reuniões (sem aparente justificativa) de dez pessoas ou mais sem a observância de um metro e meio de distância entre elas. Este e outros detalhes do serviço constam do Decreto 47.328, publicado no Diário Oficial do município do dia 30 de março. De acordo com o texto, os estabelecimentos essenciais em funcionamento também devem instalar informativos (placas ou cópias em papel) destacando o Disque 1746 em pontos de fácil visibilidade.

 

Coronavírus: Bangu recebe ação da Prefeitura contra aglomeração de pessoas nesta quinta-feira