Lavagem do Cais do Valongo celebra dois anos do título de Patrimônio Mundial da Humanidade

Publicado em 25/07/2019 - 15:13 | Atualizado em 26/07/2019 - 12:08
  • Início/
  • /
  • Lavagem do Cais do Valongo celebra dois anos do título de Patrimônio Mundial da Humanidade
Cais do Valongo foi declarado Patrimônio Mundial da Humanidade no dia 9 de julho de 2017. Foto: Marcos de Paula/Prefeitura do Rio

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e do Instituto da História e da Cultura Afro-brasileira (Ihcab), e com apoio de instituições do movimento negro e de religiões de matriz africana, realiza, no próximo sábado, dia 27 de julho, a 8ª Lavagem do Cais do Valongo, das 10h às 18h. O evento, que tem parceria com o Conselho Municipal de Defesa dos Direitos do Negro (Comdedine) e o Conselho Estadual dos Direitos do Negro (Cedine), celebra os dois anos de titulação do Cais do Valongo como Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco.

O Cais do Valongo foi declarado Patrimônio Mundial da Humanidade no dia 9 de julho de 2017. O local foi o principal porto de entrada de escravos africanos no Brasil. A estimativa é que mais de um milhão de negros escravizados tenham passado por ali em 300 anos.

“A Lavagem do Cais do Valongo é uma celebração à ancestralidade dos afro-brasileiros, realizada por entidades da cultura e de matrizes africanas. É um ato de respeito aos milhões de seres humanos, trazidos à força da África, para serem violentados em solo estranho. É um momento de reflexão quanto às contribuições dos nossos ancestrais à cultura do Brasil, um momento de luta pela reparação por tanto suor e lágrimas vertidas pelos negros escravizados”, afirma o presidente do Instituto da História e da Cultura Afro-brasileira, Pedro Paulo Nogueira.

 

Maia de um milhão de negros escravizados passaram pelo Valongo em 300 anos. Foto: Marcos de Paula/Prefeitura do Rio

A Lavagem do Cais do Valongo, que acontece desde 2012, é organizada pela ialorixá Edelzuita, presidente do Instituto Nacional e Órgão Supremo Sacerdotal da Tradição e Cultura Afro-Brasileira, e simboliza a purificação nas primeiras religiões do mundo.

A Lei 5.820/2014 incluiu o evento, que começou em 2011, no Calendário Oficial da Cidade. No ano passado, o prefeito do Rio, Marcelo Crivella instituiu, pelo decreto nº 44706/2018, que a lavagem seria realizada anualmente para celebrar o título da Unesco.

Além da tradicional lavagem com água de cheiro e louvor aos orixás e ancestrais, haverá apresentação de grupos culturais afro e, a partir das 13h, a roda de samba Mardyelas. Mais de 40 barracas da Feira de Empreendedorismo Afro vão oferecer artesanato e gastronomia.