Método Canguru revela história inspiradora de afeto e aconchego entre pai e filha em maternidade municipal

Publicado em 11/08/2019 - 09:15 | Atualizado em 21/11/2019 - 11:53
Antonio Carlos e a filha Laura, recém-nascida de baixo peso: método Canguru aumenta vínculo e ajuda saúde do bebê. Foto: Mariana Ramos / Prefeitura do RioAntonio Carlos e a filha Laura, recém-nascida de baixo peso: método Canguru aumenta vínculo e ajuda saúde do bebê. Foto: Mariana Ramos / Prefeitura do Rio

Antonio Carlos Loiola é pai da pequena Laura, nascida na maternidade municipal Leila Diniz, na Barra da Tijuca. Foi ali que ele conheceu o método Canguru. Em casos de recém-nascidos de baixo peso, como Laura, que veio ao mundo com 38cm e apenas 1,1kg, o cuidado intensificado no tratamento é fundamental para a saúde e o desenvolvimento do bebê. O Método Canguru une o prematuro ao corpo da mãe ou, no caso, do pai. Esse contato íntimo, pele a pele, gera aconchego, reforça o vínculo e aumenta o calor e o carinho.

Veja o vídeo com a história de amor entre Antonio Carlos, a esposa Paula Beatriz e a filhinha Laura:

Saiba mais sobre o método Canguru

A Maternidade Leila Diniz, na Barra da Tijuca, é pioneira na implantação do Método Canguru nas UTIs neonatais do Rio de Janeiro. E tem certificação do Ministério da Saúde, o que a torna referência para o método no Estado.

O Método Canguru é uma política da Coordenação Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde. Após 15 anos de implantação do procedimento, o Brasil comemora a consolidação dos fundamentos básicos que o compõe. O envolvimento da mãe – e do pai – é muito importante no processo de desenvolvimento dos bebês, assim como o acolhimento dos prematuros e sua família.

Antonio Carlos, a esposa Paula Beatriz e a filhinha do casal, Laura, na maternidade Leila Diniz, onde a família foi apresentada ao método Canguru. Foto: Mariana Ramos / Prefeitura do Rio
Antonio Carlos, a esposa Paula Beatriz e a filhinha do casal, Laura, na maternidade Leila Diniz, onde a família foi apresentada ao método Canguru. Foto: Mariana Ramos / Prefeitura do Rio