Prefeitura remove construções irregulares que ocupavam área pública em Del Castilho

Publicado em 15/06/2022 - 11:59 | Atualizado em 15/06/2022 - 12:21
Ao todo, 38 construções irregulares foram localizadas no bairro de Del Castilho, na Zona Norte - Divulgação

A Secretaria de Ordem Pública (Seop) e a Subprefeitura da Zona Norte realizam, nesta quarta-feira (15/6), a demolição de 38 construções irregulares localizadas na Avenida Dom Hélder Câmara, altura do viaduto Engenheiro Alvarino José Fonseca, em Del Castilho, na Zona Norte, em área de influência do crime organizado. As construções foram erguidas sem nenhuma autorização municipal ao lado da linha férrea e do viaduto que liga a Avenida Pastor Martin Luther King Júnior ao bairro Maria da Graça.

Entre as ocupações ilegais, havia um ferro-velho clandestino que ocupava cerca de 240 metros quadrados ao lado do viaduto, outras 27 construções sob o viaduto e ainda mais dez ocupações em fase inicial junto ao Condomínio Vivaz, por onde invadiam e cometiam furtos no interior, todas com paredes de madeira e tecido, apresentando condições precárias e insalubres para os ocupantes.

 

– A Seop tem feito várias operações de combate às construções irregulares na cidade, e na ação de hoje identificamos a atuação do crime organizado no local, por isso, agimos para retomar o espaço público e devolvê-lo ao carioca, pois estamos diante de uma área importante da Zona Norte do Rio. Desde janeiro de 2021, mais de 800 construções ilegais já foram demolidas e seguiremos firmes neste trabalho em conjunto com outros órgãos – destacou o secretário de Ordem Pública Brenno Carnevale.

 

Investigações do setor de inteligência da secretaria apontam que o tráfico de drogas ameaçava moradores do condomínio arremessando pedras e tentando negociar a liberação de 15 unidades do prédio ou o pagamento mensal de R$50 mil. Também foram removidas cerca de 15 metros de cerca construída com telhas de zinco que impedia a visibilidade da área, escondendo, assim, as ocupações irregulares.

O local possuía barricadas para dificultar a entrada das forças de segurança. Também foi detectado o despejo irregular de dejetos no trilho do trem. A operação conta com agentes da Subsecretaria de Operações da Seop, da Coordenadoria Técnica de Operações Especiais (COOPE), vinculada à Secretaria de Conservação; além da Polícia Militar, Guarda Municipal, Rioluz, Light e Comlurb. Cerca de 150 pessoas estão envolvidas na ação.

  • 15 de junho de 2022