Prefeitura demole construções irregulares às margens da Linha Vermelha

Publicado em 06/08/2021 - 18:56 | Atualizado
Construção é demolida às margens da Linha Vermelha - Divulgação / Prefeitura do Rio

A Prefeitura do Rio, por meio de ação conjunta da Secretaria Municipal de Conservação (Seconserva) com a Subprefeitura da Zona Norte, demoliu 32 construções irregulares e não habitadas no interior da comunidade da Maré. A operação foi realizada nesta sexta-feira (06/08) às margens da Linha Vermelha, nos fundos do Campus Educacional da Maré.

Ao todo, a equipe da Coordenadoria Técnica de Operações Especiais (COOPE) demoliu dois imóveis residenciais em fase de acabamento, 14 edificações com características comerciais em fase de alvenaria e outras 16 em fase de estrutura e fundação. Cabe ressaltar que, no local, já havia mais de 60 demarcações de lotes que estavam sendo comercializados de forma irregular.

Todas as construções estavam sobre o canal de drenagem da via expressa e da rede pluvial da comunidade. Durante a ação, a Light desligou seis pontos clandestinos de energia elétrica.

A secretária de Conservação, Anna Laura Secco, enfatizou que o combate às edificações irregulares é uma prioridade da atual gestão da Prefeitura.

 

– Temos um corpo técnico altamente qualificado que atua com rigor para garantir a ordem urbana. Estamos nas ruas fiscalizando, notificando e, por fim, demolindo o que não apenas vai contra a lei, mas oferece risco à população – afirmou.

 

O subprefeito da Zona Norte, Diego Vaz, acompanhou os trabalhos:

 

– Mais uma vez, nos deparamos com casas de alto padrão sendo construídas irregularmente. Agora, elas estavam no Complexo da Maré, no leito de um rio, rente às escolas e beirando a Linha Vermelha. Além de representarem risco para os futuros ocupantes, essas construções revelam um novo padrão de uma organização que vem se instituindo no Rio de Janeiro.

 

A operação teve o suporte da concessionária Lamsa, que removeu os painéis de isolamento da Linha Vermelha para o acesso das máquinas, e contou com o apoio da Coordenadoria Geral de Operações Especiais (CGOE), da CET-Rio, da Comlurb e da Secretaria Municipal de Assistência Social. O trabalho envolveu 60 funcionários da Prefeitura, que usaram dez viaturas, uma escavadeira hidráulica, uma retroescavadeira, uma pá carregadeira e sete caminhões. Foram removidas 120 toneladas de entulho.

  • 6 de agosto de 2021