Rio de Janeiro é finalista em competição mundial de inovação global

Publicado em 15/06/2021 - 11:38 | Atualizado em 15/06/2021 - 12:48
Acordo de cooperação para melhoria da mobilidade - Divulgação/Prefeitura

A Cidade do Rio de Janeiro é uma das 50 Champion Cities selecionadas nesta terça-feira, 15/06, como finalistas no Global Mayors Challenge 2021, competição de inovação que identifica e acelera as ideias mais ambiciosas desenvolvidas por cidades em resposta à pandemia da Covid-19. Estas 50 inovações urbanas chegaram ao topo da competição com mais de 630 inscrições de 99 países, no primeiro Global Mayors Challenge.

Como finalista do Mayors Challenge, o Rio de Janeiro agora avança para a Champion Phase, fase de teste de quatro meses da competição. De junho a outubro, as 50 cidades finalistas irão refinar suas ideias com a assistência técnica da Bloomberg Philanthropies e sua rede de especialistas em inovação. Quinze das 50 cidades receberão o grande prêmio, com cada uma recebendo US$ 1 milhão e um robusto suporte de vários anos para implementar e divulgar suas ideias. As Grand Prize Winners serão anunciadas no início de 2022.

– Estas 50 finalistas estão mostrando ao mundo que, diante dos enormes desafios da pandemia, as cidades estão se erguendo para enfrentá-los com ideias ousadas, inovadoras e ambiciosas – disse Michael R. Bloomberg, fundador da Bloomberg LP e Bloomberg Philanthropies e 108º prefeito da Cidade de Nova York. – Ao ajudar essas cidades e testar suas ideias nos próximos meses, teremos a chance de identificar políticas e programas de ponta que podem permitir que as cidades se reconstruam de forma a torná-las mais fortes, saudáveis e mais iguais e mais juntas.

A proposta apresentada pelo Rio de Janeiro foi batizada de Favelas 4D Laboratório Urbano, e tomou como base um projeto de pesquisa idealizado pelo hoje secretário municipal de Planejamento Urbano, Washington Fajardo, num período em que passou estudando nos Estados Unidos, antes de assumir a pasta. Feito em parceria com o Senseable City Lab do Massachusetts Institut of Technology (MIT), o projeto usou tecnologia de escaneamento a laser LIDAR (Light Detection And Ranging) para mapear um trecho da Rocinha. Basicamente, a tecnologia trabalha com feixes de luz refletida, permitindo medir a distância correta entre diferentes objetos. No escaneamento, foi possível registrar, de dentro da comunidade, construções, ruas, vielas e a topografia de um trecho da favela, gerando um conjunto de dados de ocupação espacial que é um avanço em relação ao mapeamento urbano convencional (que se utiliza de imagens aéreas). Tais dados, associados ao uso de inteligência artificial, podem gerar diversas aplicações, como por exemplo informações sobre circulação de ar e incidência solar em comunidades.

Caso seja escolhida uma das 15 cidades vencedoras, a ideia da cidade do Rio é selecionar uma comunidade para a execução completa do escaneamento, permitindo que, pela primeira vez, se faça o trabalho em grande escala, gerando um volume de dados novos para sustentar a elaboração de políticas públicas.

– Vamos usar a tecnologia mais avançada existente para um mapeamento altamente detalhado das favelas, o maior desafio social do Rio de Janeiro. Utilizando big data para assentamentos informais, queremos otimizar recursos e gerar políticas públicas transformadoras. Este projeto vai gerar uma visão urbanística inteira para integrar toda a cidade. Será desafiador e tenho a certeza que o Rio será um modelo de ação para o mundo – afirma o prefeito Eduardo Paes.

As 50 Champion Cities enviaram ideias que abordam quatro dos desafios mais significativos da pandemia: recuperação econômica e crescimento inclusivo; saúde e bem-estar; clima e meio ambiente; e boa governança e igualdade. Um comitê de seleção copresidido pelo membro do conselho da Bloomberg Philanthropies, Mellody Hobson, Co-CEO e Presidente da Ariel Investments, e David Miliband, Presidente e CEO da International Rescue Committee, avaliou as inscrições para determinar os finalistas do Champion City.

– Esta é sempre uma fase especialmente empolgante do Mayors Challenge, ajudando os prefeitos a levar suas inovações a patamares ainda maiores – disse James Anderson, Chefe de Inovação Governamental da Bloomberg Philanthropies. – Embora 15 cidades acabem levando para casa grandes prêmios, todas as 50 cidades receberão treinamento de especialistas renomados mundialmente e suporte para melhorar suas ideias e seu potencial para melhorar vidas.

O Global Mayors Challenge 2021 se baseia no sucesso de quatro desafios anteriores patrocinados pela Bloomberg nos EUA (2013 e 2018), Europa (2014) e América Latina e Caribe (2016). Para obter mais informações, visite mayorschallenge.bloomberg.org e @BloombergCities no Twitter e Instagram.

Sobre a Bloomberg Philanthropies

A Bloomberg Philanthropies atua em mais de 120 países ao redor do mundo para garantir maior longevidade e qualidade de vida a um grande número de pessoas. A organização concentra-se em cinco áreas principais para a criação de mudanças duradouras: artes, educação, meio ambiente, inovação governamental e saúde pública. A Bloomberg Philanthropies engloba todas as atividades de responsabilidade social de Michael R. Bloomberg, incluindo sua fundação e suas doações pessoais. Em 2016, a Bloomberg Philanthropies distribuiu US$ 600 milhões.Para mais informações, visite: www.bloomberg.org ou siga-nos pelo Facebook, Instagram, Snapchat e Twitter.

  • 15 de junho de 2021