Prefeitura antecipa calendário de vacinação, e todos os adultos serão imunizados até o fim de agosto

Publicado em 18/06/2021 - 12:34 | Atualizado em 21/06/2021 - 16:22
  • Início/
  • /
  • Prefeitura antecipa calendário de vacinação, e todos os adultos serão imunizados até o fim de agosto
Paes anunciou a antecipação do calendário de vacinação - Beth Santos/Prefeitura do Rio

Na apresentação do 24º Boletim Epidemiológico da Covid-19, nesta sexta-feira (18/06), no Centro de Operações Rio (COR), o prefeito Eduardo Paes deu duas boas notícias à população carioca. Primeiro, que o calendário de vacinação por faixa etária vai ser bastante antecipado, com todas as pessoas de 18 anos ou mais imunizadas com a primeira dose até 31 de agosto. Pelo cronograma anterior, esta etapa só terminaria no dia 21 de outubro. E, segundo, que a vacinação dos adolescentes, de 12 a 17 anos, será realizada entre os dias 1º e 15 de setembro.

 

– A primeira boa notícia é que vamos terminar a vacinação de todos os cariocas acima de 18 anos um mês e 21 dias antes do que tínhamos  previsto. Nos meses de julho e agosto, tem a previsão da chegada de muitas vacinas, o que vai nos permitir acelerar quase um dia para cada idade – afirmou Paes, ao lado do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e do secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz.

 

O prefeito agradeceu, reiteradas vezes, ao Ministério da Saúde pela regularização do fluxo de chegada das vacinas ao Rio. Esse foi o principal motivo para que o município pudesse antecipar a vacinação e chegar aos adolescentes.

 

– Queremos ser a primeira cidade brasileira a anunciar, já para o mês de setembro, a vacinação dos nossos adolescentes. A nossa angústia é fazer com que esse processo se acelere para salvar vidas. E com esse imunizante chegando, vamos ter carnaval em 2022, com a possibilidade de voltar a receber bem os outros, de nos abraçar, comemorar e celebrar. Isso para nós, cariocas, é muito importante – declarou o prefeito.

 

O ministro Marcelo Queiroga retribuiu o agradecimento dizendo que o Rio tem sido um exemplo no trabalho em parceria com o governo federal.

 

– O Rio de Janeiro, que o cancioneiro popular já consagrou como o coração do Brasil, tem que mais uma vez mostrar a sua importância para que sejamos sim, um exemplo dessa harmonia entre União, estado e município na gestão da saúde.  Esperamos ampliar essa parceria, vamos continuar trabalhando juntos pelo povo do Rio de Janeiro e do Brasil  – disse Queiroga.

 

Desde 31 de maio, quando começou a vacinar o amplo público, a cidade do Rio já contemplou cariocas de 50 anos ou mais – idade convocada nesta sexta-feira (18/06) -, sendo uma das capitais brasileiras com a campanha de vacinação por idade mais avançada. Esta semana, o município alcançou a marca de metade da população adulta protegida com a primeira dose da vacina: 2.659.145. A meta é chegar aos 90% no final de agosto, número estimado em  5.279.803 pessoas.

 

O prefeito Eduardo Paes anunciou ainda que gestantes e puérperas sem comorbidades, a partir de 18 anos, também poderão se vacinar contra a Covid-19 na próxima semana, de 21 a 26 de junho. Para garantir as doses, esse grupo de mulheres deve assinar o termo de consentimento. Somente os imunizantes Coronavac e Pfizer serão aplicados nesse grupo, conforme disponibilidade nos postos.

 

Além da aceleração da aplicação da primeira dose (D1), outra frente de atuação da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) tem sido a busca ativa por pessoas que não retornaram no prazo para tomar a segunda dose (D2) da vacina. Atualmente, no município do Rio há 79 mil pessoas que descumpriram a data prevista para a D2, o que representa 4% dos que já atingiram esse prazo. É fundamental que a população não perca a data de retorno (anotada a lápis no comprovante da D1), pois somente com o esquema vacinal completo, de duas doses, é possível garantir a eficácia da imunização. Quem estiver com a D2 em atraso deve retornar ao local de vacinação onde tomou a D1, o quanto antes, para completar a proteção contra a Covid-19.

 

Até a manhã desta sexta-feira (18/06), 2.659.145 pessoas haviam tomado a primeira dose (D1) da vacina contra Covid-19 no Rio, representando 50% da população carioca elegível para a vacinação (a partir de 18 anos). Desse total, 973.935 completaram o esquema vacinal, recebendo também a segunda dose do imunizante.

 

A SMS disponibiliza 280 pontos de vacinação em toda a cidade, funcionando de segunda-feira a sábado, para facilitar o acesso da população à vacina. A lista desses pontos, seus horários de funcionamento, o calendário de vacinação e mais informações sobre grupos prioritários, documentos, etc. estão disponíveis em coronavirus.rio/vacina e nas redes sociais da SMS. Neste sábado (19/06), haverá repescagem da vacinação para pessoas com deficiências, trabalhadores da saúde e para quem tiver 50 anos ou mais.

 

PaqueTá Vacinada

 

O próximo domingo (20/06) marca importante momento do projeto “PaqueTá vacinada”: será aplicada a primeira dose da vacina contra Covid-19 em toda população em idade elegível (a partir de 18 anos) da Ilha de Paquetá. A ação está sendo realizada com apoio da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e tem como objetivo de avaliar os efeitos da vacinação em larga escala e a segurança do imunizante. O acompanhamento da população da ilha terá por objetivo avaliar a segurança do imunizante e como a vacinação em massa atua na proteção também das pessoas que não foram vacinadas, como é o caso das crianças e adolescentes.

 

– A intenção é vacinar 100% das pessoas acima de 18 anos neste próximo domingo. O projeto já está acontecendo lá neste momento, colhendo amostras de sangue de voluntários, inclusive crianças, para ver a exposição do vírus. O objetivo é avaliar os efeitos da imunização numa população completa, monitorando cerca de três mil moradores – disse o secretário de Saúde, Daniel Soranz.

 

Antes da vacinação, a pesquisa, que terá duração total de 12 meses, ainda prevê que os participantes façam exame de sangue sorológico para análise comparativa de presença de anticorpos com os momentos antes e após a imunização, além da realização de testes rápidos para Covid-19. Essa etapa de inquérito epidemiológico, que vai ocorrer até este sábado (19/06), é importante para o estudo dos resultados e impactos da vacinação em larga escala. Nos meses subsequentes, continuará a ser feito o monitoramento dos moradores. Com a cobertura vacinal total da população alvo, Paquetá deverá sediar o primeiro evento-teste com público na cidade, em meados de setembro, pelo menos 14 dias após a população local ter tomado a segunda dose da vacina.

 

Apenas a população residente participa do projeto PaqueTá Vacinada, sendo vetada a vacinação de turistas que irão passar o domingo na ilha. Paquetá conta com 4.180 moradores, dos quais 3.530 são maiores de 18 anos cadastrados na Estratégia Saúde da Família. Até a manhã desta quinta-feira (17/06), foram aplicadas 3.078 doses da vacina contra a Covid-19 pelo calendário do município para os grupos prioritários, sendo 1.946 primeiras doses (D1) e 1.132 segundas doses (D2). No domingo, todo o restante da população elegível será imunizado com a vacina da Oxford/AstraZeneca.

 

 

Cenário epidemiológico

 

O 24º Boletim Epidemiológico mostra que, desde março de 2020, o município do Rio soma 352.190 casos de Covid-19, com 27.781 óbitos. Somente em 2021, são 143.719 casos e 9.095 mortes. A taxa de letalidade deste ano está em 6,3%, e a de mortalidade, em 136,5 a cada 100 mil habitantes. A incidência da doença é de 2.157,5/100 mil.

 

O boletim indica ainda a permanência de todas as 33 regiões administrativas do município na classificação de alto risco para a transmissão da Covid-19, considerando as internações e óbitos, pela sexta semana seguida. As médias móveis de atendimentos da rede de urgência e emergência, de casos confirmados e de óbitos pela doença apresentam tendência de queda.

 

Na última semana, 15 novos casos de diferentes variantes do vírus foram identificados na cidade, sendo nove moradores locais, e nenhum novo da cepa indiana. Desde a identificação do primeiro caso de novas variantes, o município contabiliza 619, sendo 500 residentes. São 488 casos da brasileira (P.1) e 12 da britânica (B.1.1.7). Dos moradores infectados por essas cepas, 38 faleceram, 17 permanecem internados e 445 já são considerados curados. Dos não moradores do Rio infectados pelas variantes, 24 vieram de Manaus, sete de Rondônia e 88 de outros municípios.

 

Independentemente da variante, as medidas preventivas são as mesmas para a população: manter o distanciamento, usar máscaras e higienizar as mãos com álcool 70° ou, quando possível, água e sabão; além das demais medidas de proteção à vida estabelecidas na Resolução Conjunta SES/SMS Nº 871 de 12/01/21, que podem ser consultadas em coronavirus.rio/.

 

Medidas de proteção à vida

 

As medidas de proteção à vida estabelecidas no Decreto Nº 48.912, de 27 de maio de 2021, seguem vigentes até 28 de junho. Bares, lanchonetes, restaurantes, quiosques da orla e congêneres continuam com permissão para o consumo apenas para clientes sentados, com distanciamento mínimo de um metro e meio entre cada conjunto composto por mesa e cadeiras limitado a oito ocupantes, sendo admitida música ao vivo sem restrição de horário. Já as academias de ginástica, piscinas, centros de treinamento e condicionamento físico podem ter aulas em grupos, com a ocupação dos ambientes limitada a um indivíduo a cada quatro metros quadrados.

 

Casas de espetáculo, concertos e apresentações podem funcionar, desde que mantenham distanciamento mínimo de 1,5 metro entre os participantes, com capacidade de lotação máxima de 40% em locais fechados e 60% em locais abertos, somente com público sentado. As mesmas regras valem para atividades comerciais e de prestação de serviços localizadas no interior de shoppings, centros comerciais e galerias de lojas, bem como as atividades de museu, biblioteca, cinema, teatro, casa de festa, salão de jogos, circo, recreação infantil, parque de diversões, temáticos e aquáticos, pista de patinação, entretenimento, visitações turísticas, aquários, jardim zoológico, apresentações, drive-in, feiras e congressos, exposições e eventos autorizados. Em todas essas ocasiões, a formação de filas de espera e de aglomerações na entrada e saída é proibida.

 

Rodas de samba estão liberadas, mas continuam suspensos o funcionamento de boates, danceterias e salões de dança; a realização de eventos, como festas com vendas de ingresso, em áreas públicas e particulares. A fiscalização das indicações do decreto é feita pela Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), Guarda Municipal e pelo Instituto Municipal de Vigilância Sanitária, Vigilância de Zoonoses e de Inspeção Agropecuária (Ivisa-Rio) da Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

 

Confira os próximos calendários de vacinação:

 

 

 

 

  • 18 de junho de 2021