Cidadão compra jiboia para livrá-la de maus tratos e entrega animal para Patrulha Ambiental

Publicado em 15/07/2020 - 12:11 | Atualizado em 15/07/2020 - 12:28
Cobra terá tratamento veterinário e será devolvida à naturezaCobra terá tratamento veterinário e será devolvida à natureza

A Prefeitura do Rio, por meio da Patrulha Ambiental, acolheu na tarde desta terça-feira, 14/07, mais uma jiboia de mais de 2 metros encontrada próximo ao Morro do Cajueiro, entre Vaz Lobo e Madureira, na Zona Norte. Mas desta vez, o resgate foi feito diretamente por um cidadão que passava pelo local e viu a cobra ser agredida a pau por dois homens.

O cidadão, então, ofereceu R$ 100 pela cobra, para livrá-la dos maus tratos e, em seguida, procurou uma das bases da Patrulha Ambiental, localizada no Parque Natural Municipal do Marapendi, no Recreio, para entregar o animal aos agentes ambientais.

O homem que resgatou a cobra, contou aos agentes ambientais que ficou revoltado com a agressão ao animal mas preferiu, ao invés de discutir com os agressores, oferecer dinheiro como forma de tirá-la rapidamente do local. O Cidadão, carpinteiro profissional, de 37 anos, que não autorizou a divulgação de sua identidade, afirmou que sempre agiu em defesa dos animais e lamentou que muitas pessoas não pensem assim.

– As pessoas precisam entender que esses animais são nossos parceiros, eles preservam as matas e florestas para que tenhamos qualidade de vida nas cidades, afirmou.

Pela manhã, a patrulha ambiental resgatou uma cobra no forro do telhado de um hotel em Botafogo. Como o animal estava com um espinho de ouriço preso na gengiva, a equipe levou a jiboia para a base para retirar o espinho. Ela foi levada ao Parque Natural Municipal de Marapendi, no Recreio dos Bandeirantes, para ser devolvido à natureza.

Na segunda-feira, dia 13, um estabelecimento comercial na Estrada da Covanca, no bairro do Tanque, acionou a patrulha pela Central 1746 para realizar o resgate de uma jiboia. Como a cobra estava saudável, as equipes levaram o animal até o Parque Natural Municipal da Prainha, na Zona Oeste, onde foi devolvida ao seu habitat natural.

A jiboia entregue na base da Patrulha Ambiental será levada para o Centro de Recuperação de Animais Silvestres da Universidade Estácio de Sá, em Campo Grande, para receber cuidados veterinários por um ferimento próximo à boca. Só depois, ela será devolvida à natureza.

A patrulha ambiental é formada por fiscais da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e guardas municipais do Grupamento de Defesa Ambiental. A Prefeitura do Rio orienta a população a acionar a patrulha por meio da Central 1746, caso flagrem animais silvestres em área urbana na cidade do Rio ou em qualquer situação de risco fora do seu habitat para um resgate seguro. O manuseio não é aconselhável e muito menos tentar afugentá-los, pois pode agravar qualquer lesão que os animais apresentarem. A Central 1746 funciona 24 horas.