Atividades da Economia sobre Rodas na cidade são regulamentadas em decreto publicado no DO

Publicado em 29/06/2020 - 09:26 | Atualizado em 29/06/2020 - 09:32
Food truck. Foto: divulgaçãoFood truck. Foto: Divulgação

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento, Emprego e Inovação, traz no Diário Oficial desta segunda-feira (29/06) resolução que regulamenta o decreto para atividades sobre rodas, assinado pelo prefeito Marcelo Crivella em fevereiro.

O documento reconhece a atividade de food truck, cria a de food bike e estabelece as formas de acesso, que serão duas. Numa, a SMDEI vai abrir vagas e fazer chamamento público. Em outra, as pessoas que já atuam terão que complementar a documentação de acordo com o que a resolução exige e, a partir daí, aguardar a vistoria do local.

Mesmo sendo uma alternativa que exige menos do comerciante, deve respeitar condutas e pagar algumas taxas municipais. Leandro Degobi, responsável pela Coordenadoria de Economia sobre Rodas, vinculada à Secretaria Municipal de Desenvolvimento, Emprego e Inovação (SMDEI), comemora a conquista:

– A resolução abre espaço para que esses empreendedores possam se devolver com tranquilidade. Eles terão termo de autorização, crachá de identificação e acesso à plataformas de comercialização.

 

Um bom negócio

Os modelos de venda de comida de rua começaram a inovar com a modalidade de comércio em food truck, com cozinha móvel, de dimensões pequenas, sobre rodas que transporta e vende alimentos, de forma itinerante, além de permitir contato direto com o público. E o melhor: sem a necessidade de adquirir ponto comercial.

– Para quem já atua na cidade, terá que aguardar alguns trâmites para ter a sua autorização. Se o local for de estacionamento permitido, não impactar no trânsito, na circulação dos pedestres e não causar nenhum problema ao comércio local, aí, sim, o empreendedor vai ser autorizado a permanecer no ponto em que já trabalha – explica Degobi.

Para cada solicitação de ponto, será feita uma visita técnica ao local pretendido, para analisar a viabilidade econômica e verificar se não vai impactar com o comércio local constituído. Cada local autorizado receberá uma placa, colocada pela Prefeitura, que garantirá a ocupação do espaço e o funcionamento do comércio.

 

Tudo legalizado

– É importante ressaltar que o equipamento truck é um veículo e, por isso, tem que estar emplacado, respeitar normas de trânsito e só pode estacionar em local permitido para veículos. Já a food bike vai poder estar na via , alocada em praças públicas, passeios, sobre o calçamento – diz o secretário Cláudio Souza.

Na onda dos food trucks, vieram outras alternativas de economia sobre rodas, com serviços diversos, como pet shop e estúdio de tatuagem. E mais: além dos conhecidos trailers, caminhõezinhos e módulos rebocáveis, as bicicletas, também, estão ganhando espaço com as food bikes.