Dia de beleza e roda de conversa na Bienal do Livro

Publicado em 05/09/2019 - 21:22 | Atualizado em 05/09/2019 - 23:20

A Lei Maria da Penha é uma lei federal que tem como objetivo estipular punição adequada e coibir atos de violência contra a mulher. A lei entrou em vigor em 2006 e é considerada pela Organização das Nações Unidas (ONU) como uma das três melhores legislações do mundo no enfrentamento à violência contra as mulheres.

Durante o mês de agosto, a Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (SMASDH), por intermédio da Subsecretaria de Políticas para a Mulher (SUBPM), realizou diversos encontros em comemoração aos 13 anos da lei, bem como os eventos continuarão durante o mês de setembro.

A SUBPM irá participar, nesta sexta-feira(06), a partir das 15h da Roda de Conversa Desafio do Amor Próprio, no stand da escritora e coach de relacionamentos, Michele Pin,na Bienal do Livro, no Rio Centro, em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Na ocasião, também irá acontecer uma oficina de embelezamento sobre maquiagem e empoderamento feminino, com a makeup artist, Vivi Borlido para as mulheres assistidas pelos Centros da Prefeitura do Rio. Muitas delas são vítimas de tentativas de feminícidio e demais crimes. Por intermédio dos serviços da Prefeitura do Rio, encontram-se todas as garantias de direitos e apoios necessários para uma nova etapa em suas vidas.

Para a subsecretária, Joyce Braga, este será um momento bastante especial. “O empoderamento feminino significa nos colocar em primeiro lugar e termos um tempo para olhar só pra nós mesmas e descobrirmos o quanto somos importantes. As Casas da Mulher Carioca, por intermédio de rodas de conversa e oficinas que trabalham autonomia financeira e emocional, são importantes, pois ao realizar seus trabalhos elas conseguem se perceber e dar o primeiro passo, muitas das vezes rompendo o silêncio de relacionamentos abusivos. Muitas mulheres que estão aqui hoje neste dia especial tem histórias de superação em suas vidas. Elas viraram a página. Este é o resultado do empoderamento” — conclui Joyce.