Saúde do Homem


A conscientização em relação aos cuidados com a saúde do homem é necessária, visto que a população masculina é mais atingida nos casos de adoecimento por doenças graves e crônicas, violência e outras causas externas. O fato de o homem procurar menos os serviços de saúde prejudica sua qualidade de vida e longevidade.


Visando uma mudança neste cenário, o município do Rio de Janeiro utiliza estratégias baseadas na Política Nacional de Atenção à Saúde do Homem (PNAISH), para a captação principalmente de homens na faixa etária de 20 a 59 anos, com o objetivo de aprimorar a promoção e prevenção à saúde voltada para o autocuidado e a saúde de sua família.


Em 2002, foi implantado o Movimento pela Valorização da Paternidade, tendo como foco enfatizar o envolvimento físico, emocional e social do pai na relação com seus filhos, de forma a obter benefícios para a sociedade como um todo, pois a questão do cuidado com crianças e adolescentes é culturalmente delegada à mulher. A Constituição Federal de 88 instituiu a licença paternidade em 5 dias. Com o avanço do marco legal por meio da Lei da Primeira Infância (Lei 13.257 de 08 de março de 2016) os empregados de empresas participantes do Programa Empresa Cidadã conquistaram mais 15 dias de Licença Paternidade, totalizando 20 dias; além de 2 dias para acompanhar as consultas médicas e exames complementares no período da gestação de sua esposa ou companheira e 1 dia por ano para acompanhar filho de até 6 anos em consulta médica.

 

A valorização da Paternidade se institucionaliza por meio da Lei de Planejamento Familiar (Lei Federal 9263/96) que enfatiza a participação do homem desde o planejamento reprodutivo, durante o pré-natal e o parto, até o desenvolvimento da criança (exemplo: ajuda na amamentação, no banho, no lazer, brincando etc.). Sendo o pai biológico ou não, essa participação ajuda a fortalecer as relações familiares.


O homem interessado no cuidado de sua saúde pode buscar sua unidade de referência para atenção primária por meio do site "Onde ser Atendido". Sendo esta a porta de entrada para o acesso aos serviços de saúde.

 

 

 

Principais ações da Política Nacional de Atenção à Saúde do Homem:

 

• Reduzir a morbidade e mortalidade em toda população masculina entre 20 a 59 anos;
• Facilitar o acesso às ações e serviços de assistência integral à saúde;
• Fortalecer a assistência básica do cuidado, por meio da promoção de saúde e prevenção dos fatores de riscos de doenças e agravos evitáveis, bem como orientar sobre a importância do autocuidado;
• Promover ações e orientações quanto à prevenção da violência;
• Estimular a participação e inclusão do homem nas ações de cuidado no âmbito da saúde sexual e reprodutiva;
• Valorizar a Paternidade Responsável.

 

 

Serviços: 

 

- Atenção Primária de Saúde: Clínicas de Saúde da Família e Centro Municipal de Saúde (link: http://www.subpav.org/ondeseratendido/);

 

 

 

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem, Portaria Nº
 1.944 de 27 de agosto de 2009
.

Lei da Primeira Infância, Lei 13.257 de 08 de março de 2016.

Lei do Planejamento Familiar, Lei Federal nº 9.263 de 12 janeiro de 1996

Dados de Morbimortalidade Masculina no Brasil

 

 

 

Responsável pela área:
Germana Périssé
E-mail: gpi.smsdc@gmail.com
Tel.: (21) 3971-1960

Equipe:
Margareth Glória Sgambato Ferreira
Ana Lúcia Reis de Mello
Izabel Cristina Ferraz dos Reis
Andréa Rocha Ferreira
 




Serviços Serviços