Ambulante Legal entrega crachás a trabalhadores de 14 bairros da Zona Sul

Publicado em 18/09/2019 - 16:39 | Atualizado em 18/09/2019 - 16:59
Avanir, que trabalha como vendedora na rua há 36 anos, exibe o crachá do programa Ambulante Legal. Foto: Richard Santos / Prefeitura do RioAvanir, que trabalha como vendedora na rua há 36 anos, exibe o crachá do programa Ambulante Legal. Foto: Richard Santos / Prefeitura do Rio

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, entregou nesta quarta-feira, 18 de setembro, mais 200 crachás de identificação do Programa Ambulante Legal. Desta vez, os beneficiados são trabalhadores de ruas de 14 bairros da Zona Sul: Arpoador, Botafogo, Catete, Copacabana, Cosme Velho, Flamengo, Gávea, Glória, Ipanema, Jardim Botânico, Lagoa, Laranjeiras, São Conrado e Urca.

– Esse crachá simboliza muita dignidade. Só peço que vocês valorizem o seu crachá. É preciso honrar essa licença que a Prefeitura concedeu – disse Crivella, durante o evento, no Palácio da Cidade. Em pouco mais de um ano, o programa já alcançou trabalhadores de 48 bairros e distribuiu 3.227 documentos de identificação.

Avanir Gama, 62 anos, sabe bem a importância de ter o crachá no peito. Cadeirante, ela vende roupa na esquina da Avenida Nossa Senhora de Copacabana com a Rua Siqueira Campos. E resume com uma pequena palavra o sentimento de estar legalizada: paz.

– Por muitos anos trabalhei debaixo de sol e chuva. Sempre me dediquei ao trabalho, e agora, com o crachá, vai ficar melhor. O prefeito organizou os ambulantes. Não tem mais confusão ou violência. Isso é muito bom. A gente precisa de paz para trabalhar – comentou Avanir.

O QR code do crachá do Ambulante Legal é lido pelo celular, e a partir daí se acessa um conjunto de informações sobre o vendedor autorizado. Foto: Edvaldo Reis / Prefeitura do Rio
O QR code do crachá do Ambulante Legal é lido pelo celular, e a partir daí se acessa um conjunto de informações sobre o vendedor autorizado. Foto: Edvaldo Reis / Prefeitura do Rio

Tranquilidade para vendedores e consumidores

Os crachás têm QR code, código de barras bidimensional de resposta rápida que permite acesso instantâneo a informações sobre o ambulante e sua licença. Neles constam nome, número de inscrição, mercadorias que o trabalhador está autorizado a vender e o local em que pode atuar.

Confira bairros já contemplados pelo Ambulante Legal, além dos que foram beneficiados nesta quarta: Leme, Méier, Feira do Calçadão de Bangu, Campo Grande, Santa Cruz, Saúde, Benfica, Caju, Centro, Coelho Neto, Mangueira, Paquetá, Santo Cristo, São Cristóvão, Turiaçu, Anchieta, Barros Filho, Bento Ribeiro, Cascadura, Guadalupe, Irajá, Leblon, Madureira, Marechal Hermes, Oswaldo Cruz, Parque Anchieta, Parque Columbia, Pavuna, Ricardo de Albuquerque, Rocha Miranda, Vicente de Carvalho, Vila da Penha, Vila Kosmos e Vista Alegre.

O Ambulante Legal foi criado em agosto de 2018. O programa tem o objetivo de organizar e facilitar a identificação dos trabalhadores de rua, propondo, inclusive, a implantação de políticas públicas de qualificação profissional. Há cuidado também com o comércio da região, de forma que a organização dos ambulantes não cause prejuízo ou conflito com os empreendimentos já estabelecidos no local.