Vigilância Sanitária do Rio inicia a última fase da Operação Carnaval

Publicado em 21/02/2020 - 14:45 | Atualizado em 21/02/2020 - 14:46
A Vigilância Sanitária fará inspeções diárias dos serviços de alimentos, saúde e beleza no Sambódromo e entorno, com orientações. Foto: Divulgação

Com foco na prevenção de riscos à saúde da população, a Subsecretaria de Vigilância Sanitária da Prefeitura do Rio começa às 18h desta sexta-feira, dia 21, a última fase da Operação Carnaval. Serão 73 técnicos diariamente inspecionando e reforçando orientações higiênico-sanitárias no Sambódromo, Terreirão do Samba, Avenida Presidente Vargas e entorno. A partir deste sábado, 22, uma equipe de 11 fiscais estará percorrendo a cidade na fiscalização de 20 blocos por dia. Pelo terceiro ano consecutivo, a Vigilância terá na Passarela do Samba um estande no Setor 7 para ações educativas. Orientações, distribuição de folhetos como o de dicas para foliões curtirem melhor a festa e um plantão da Ouvidoria para atendimento exclusivo de demandas relativas ao evento (registradas presencialmente ou na Central 1746) serão oferecidos no espaço que este ano tem uma novidade: servirá também de posto de vacinação contra o sarampo, das 17h às 20h de sábado a segunda-feira. A meta da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) é imunizar, pelo menos, 500 pessoas em cada dia, incluindo a força de trabalho da Sapucaí.

 

Nas inspeções, os técnicos conferem também os sistemas de água, de climatização e de gerenciamento de resíduos, com atenção para o uso de equipementos essenciais para as condições higiênico-sanitárias, como pias, lavatórios, lixeiras com tampa e acionamento por pedal e dispensadores de sabão líquido e de toalha de papel. Além de fiscalizar os pontos de folia, a Vigilância Sanitária manterá equipes 24 horas para atender as ações rotineiras da cidade, como denúncias de falta de higiene e outras irregularidades registradas na Central 1746.

 

– A Vigilância não para, e por isso teremos plantões 24 horas para atender a cidade como um todo. Mas como a nossa maior missão é atuar na prevenção de riscos, nossa atuação tem foco nos eventos de massa. Na primeira etapa da Operação Carnaval que iniciamos em 8 de janeiro realizamos mais de 1.500 prévias no comércio em geral, infracionando, emitindo intimação para o cumprimento de exigências, interditando estabelecimentos para se adequarem às normas. Vistoriamos, por exemplo, o Terreirão e o Sambódromo, onde estaremos conferindo as condições dos alimentos, os ambientes, o trabalho de garçons, massagistas, maquiadores e outros profissionais. Vamos ainda fiscalizar a estrutura de saúde dos blocos, conferindo as condições de ambulâncias e postos médicos. E seguiremos com as nossas orientações porque, mais que fiscalizar, em todas as nossas ações reforçamos as orientações para que tudo esteja de acordo na hora da festa – destaca Márcia Rolim, subsecretária de Vigilância Sanitária do Rio.

 

Sambódromo e entorno – A Vigilância vai conferir no Sambódromo serviços e pontos de venda de alimentação e bebidas (inclusive no interior de camarotes); a atuação de ambulantes cadastrados; os veículos de transporte de alimentos, bebidas e gelo; postos médicos e ambulâncias; serviços de interesse à saúde (como manicures, cabeleireiros, maquiadores, massagistas e tatuadores); e ambientes coletivos (áreas de uso comum, sanitários, locais de descarte de resíduos e água de abastecimento). No Terreirão, há 50 pontos de vendas a serem inspecionados. Já no entorno do Sambódromo e Presidente Vargas, os fiscais vão vistoriar a atuação dos 100 ambulantes cadastrados.

 

Estande na Sapucaí – As atividades educativas da Vigilância estarão concentradas no estande do Setor 7, com técnicos da Superintendência de Educação atuando das 18h à 1h na orientação com a distribuição de folhetos contendo as principais dicas relativas ao consumo de alimentos para evitar riscos à saúde. No mesmo espaço funcionará o plantão da Ouvidoria para atendimento de demandas do Sambódromo e o posto de vacinação contra o sarampo para pessoas dos 15 aos 59 anos, feita por uma equipe da SMS.

Principais orientações
Entre as muitas orientações sobre ações básicas que podem prevenir riscos, a Vigilância Sanitária alerta que o consumidor deve observar as condições de higiene dos locais de venda de alimentos e o prazo de validade dos produtos, e sempre exigir que bebidas à base de frutas e gelo sejam preparadas na hora.

 

– Uma dica importante é comprar apenas em comércios com o ok da Vigilância, o que pode ser conferido por meio da licença sanitária que desde o ano passado, como prevê a lei, tem que estar exposta na parede. E mais: qualquer irregularidade ou mesmo suspeita deve ser denunciada à Central 1746 para que uma de nossas equipes providencie a inspeção – orienta Márcia Rolim.

 

Dez dicas para aproveitar a folia com menos riscos à saúde

1- Lave bem as mãos antes de consumir alimentos e após utilizar os banheiros.
2- Observe sempre as condições de higiene dos locais de venda de alimentos.
3- Compre comidas, bebidas e qualquer outro tipo de alimentos apenas em comércios licenciados pela Vigilância Sanitária.
4- Verifique o prazo de validade dos produtos antes de consumir.
5- Confira o rótulo dos produtos industrializados, pois ali estão informações essenciais à saúde.
6- Não consuma alimentos com textura, cor, odor ou sabor alterados.
7- Fique atento ao comprar bebidas à base de frutas. Elas devem ser preparadas na hora do consumo.
8- Cuidado com enjoo, vômito e diarreia. Eles podem ser sintomas de intoxicação e de outras Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA), que precisam de atendimento médico imediato.
9- Lembre-se de consumir bastante líquido para se manter hidratado.
10- Caso identifique no comércio alguma irregularidade, como a falta de higiene que ameaça a saúde, denuncie à Central 1746.

 

O QUE SERÁ CONFERIDO
Alimentos
. Comércio e produção de alimentos e bebidas
. Caterings e alimentação nos camarotes
. Sedes das empresas de alimentação
. Ambulantes de alimentação
. Veículos de transporte de alimentos

Saúde
. Postos Médicos
. Ambulâncias
. Interesse à Saúde (cabeleireiros, manicures, maquiadores, tatuadores, massagistas)

Engenharia
. Água de abastecimento
. Manejo de resíduos
. Ambientes climatizados
. Condições estruturais

Análise Laboratorial
. Coletas de amostras para análise laboratorial: água de abastecimento, alimentos e bebidas

Educação
. Orientação à população em geral em interações reforçadas pela distribuição de panfletos e ventarolas
. Ações prévias: palestras para fornecedores e empresas; treinamentos para profissionais das empresas de saúde e alimentação; e capacitação de ambulantes.

Os números já registrados pela Operação Carnaval

Em pouco mais de 40 dias, a Operação Carnaval percorreu toda a cidade fiscalizando bares, hotéis, restaurantes, estúdios de tatuagem, salões de beleza, consultórios médicos e até pets, além de fábricas e distribuidoras de gelo, produto muito consumido nesta época do ano. Ao todo, foram 1.554 vistorias com 585 infrações aplicadas, a maioria por falta de higiene e ausência de licença sanitária, documento que deve estar exposto na parede para que o consumidor confira se o estabelecimento está licenciado pela Vigilância. As inspeções resultaram em 448 intimações com exigências de adequações (em especial, estruturais e de higiene) e 49 interdições, 14 delas totais.

 

A operação é feita por equipes das coordenações de Fiscalização Sanitária, de Alimentos, de Engenharia e de Saúde; do Núcleo de Inspeção e Fiscalização dos Ambientes de Trabalho (Nifat); e do Laboratório Municipal de Saúde Pública (Lasp), que este ano coletaram nas inspeções prévias 116 amostras de alimentos para análise. Nos últimos dois fins de semana, técnicos conferiram também a estrutura de saúde (ambulâncias e postos médicos) de 30 blocos, com sete infrações aplicadas por falta de licença e até de ambulância em dois dos blocos inspecionados.

 

Este ano, a Superintendência de Educação da Vigilância emitiu 846 licenças sanitárias para empresas e demais prestadores de serviços em pontos de folia e capacitou 1.335 pessoas em 33 atividades (cursos e palestras) de práticas de higiene nas áreas de alimentos, saúde e beleza, todas elas recebendo a carteira oficial da qualificação gratuita promovida pelo órgão. São garçons, chefs, manicures, cabeleireiros, massagistas, tatuadores, pierciers e outros profissionais que terão o trabalho conferido durante os dias de carnaval.

 

Mais prévias e ações educativas reduzem irregularidades

Com a ampliação das prévias e das ações educativas (em especial, as capacitações), a Vigilância Sanitária do Rio tem registrado uma redução expressiva nas irregularidades e consequentes riscos à saúde. No ano passado, por exemplo, essa estratégia resultou em reduções expressivas no carnaval, como 176% a menos no descarte de alimentos (de 138 quilos em 2018 para 50 em 2019) e 23% nas infrações (de 73 para 59). Mas o maior ganho foi nos riscos de alimentos consumidos. Em 2018, das 84 amostras coletadas para análise, 28 (35%) deram resultados insatisfatórios. Em 2019, das 61 amostras coletadas, apenas três (5%) foram insatisfatórias, uma diminuição de 30% em relação a 2018.