Vigilância Sanitária do Rio capacita mais de 100 profissionais da Tattoo Week 

Publicado em 10/01/2020 - 20:30 | Atualizado em 10/01/2020 - 20:56

A Subsecretaria de Vigilância Sanitária do Rio capacitou nesta sexta-feira, 10, 120 tatuagens e piercers que estão participando da Tattoo Week, maior convenção de tatuagem do mundo, que acontece até domingo, no Centro de Convenções SulAmérica, na Cidade Nova. Esta é a primeira vez, em oito edições do evento, que o órgão realiza a qualificação especial dos profissionais.

 

– Nos enfatizamos a questão das boas práticas higiênico-sanitárias mesmo num ambiente diferenciado como o espaço do evento, que não é um estúdio clássico, mas sim uma área adaptada – ressaltou Andréa Mendonça, educadora sanitária da área de saúde da Vigilância.

 

O tatuador Mauro Simões, que participou do curso, por sua vez, destacou a importância desse trabalho de orientação e sobre os profissionais seguirem corretamente as normas sanitárias.

 

– Usar máscaras e luvas, por exemplo, não é luxo, é de extrema necessidade tanto para a segurança dos clientes quanto a nossa – lembrou o profissional.

 

Além da capacitação, técnicos da Superintendência de Educação da Sanitária fizeram uma roda de conversa voltada ao público em geral, com orientações sobre higiene e dicas de procedimentos de tatuagem e piercing com segurança.

 

O participante Wilson Ramos, que tem um filho tatuador, aproveitou o encontro para tirar dúvidas com as equipes da Vigilância sobre os procedimentos exigidos pela Vigilância Sanitária para a abertura de um estúdio.

 

Enquanto isso, a equipe da coordenação de fiscalização em Saúde estava de olho na prevenção de riscos à saúde pública. Os fiscais fizeram inspeções para conferir as condições higiênico-sanitárias as estruturas de assistência à saúde da convenção, como posto médico e ambulância. E a notícia é ótima: estava tudo dentro das normas.

 

– Foram testados os equipamentos de atendimento a primeiros socorros, os materiais de consumo e remédios estavam dentro da validade na especificidade e quantidade, de acordo com a legislação – acrescentou Kátia Simões, assistente Coordenação de fiscalização de Saúde.

 

No dia a dia, a Vigilância do Rio vistoria e licencia os estúdios de piercing e de tatuagem na cidade, mantendo cursos de capacitação gratuita de boas práticas de higiene para todos os profissionais da área, com direito à carteirinha.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Confira algumas orientações e fique de olho a itens como:

 

* Os instrumentais e adornos devem ser embalados e lacrados individualmente, esterilizados em autoclaves e abertos somente durante o atendimento;

* As agulhas devem estar estéreis e ser descartadas em coletores próprios, imediatamente após o uso;

* As tintas de tatuagem devem ser registradas na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa);

* Os resíduos das tintas precisam ser descartados após cada sessão;

* O estúdio deve ter lavatório de mãos na área de atendimento para uso do profissional e dos clientes, com dispensadores de sabão líquido e de papel toalha, além de lixeira com tampa e pedal;

* O profissional deve usar equipamentos de proteção individual, como luvas, gorro, máscara e avental, todos descartáveis;

* Os protetores descartáveis das cadeiras e das macas precisam ser trocados a cada atendimento, com as áreas e equipamentos não esterilizáveis sendo também desinfetados;

* Além de privacidade, o ambiente deve ser iluminado e climatizado;

* Para facilitar a desinfecção, pisos, paredes e tetos devem ser revestidos com material liso e impermeável;

* Itens como cabos, borrifadores e botões devem ser protegidos por plástico filme, a serem descartados após o uso;

* Todos os clientes devem ter cadastro com data, nome, idade, endereço, descrição, localização da tatuagem e identificação do profissional;

* A licença sanitária deve estar na validade e exposta ao público.

  • 10 de janeiro de 2020