Prefeitura do Rio cria comitê executivo para readequar e melhorar o fluxo de linhas de ônibus na cidade

Publicado em 11/08/2020 - 16:05 | Atualizado
Objetivo é atender necessidades atuais de deslocamento da população devido aos impactos gerados pela pandemia. Foto: Divulgação/Arquivo

O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, determinou à Secretaria Municipal de Transportes a criação de um Comitê Executivo para readequar e melhorar o fluxo de linhas de ônibus na cidade. A orientação de Crivella é dar absoluta prioridade, de forma emergencial, à questão, tendo em vista as graves consequências geradas pela pandemia do novo coronavírus na mobilidade urbana. A decisão saiu no Diário Oficial desta terça-feira (11/08).

O trabalho do comitê é avaliar medidas de readequação do sistema, podendo resultar na inclusão, exclusão ou alteração de linhas para atender às necessidades atuais dos passageiros. A medida tem por base a estrutura de linhas do sistema, que atualmente conta com 688 serviços.

– O setor técnico da secretaria já  vinha trabalhando sobre a questão de linhas que estavam funcionando em desconformidade com as regras operacionais e adotando as devidas providências. A orientação é continuar esse trabalho de forma enérgica para que a população não seja desatendida,  especialmente neste momento de retomada das atividades -, ressaltou o secretário municipal de Transportes, Paulo Jobim.

Diversas fontes de dados estão sendo analisadas para a realização deste trabalho, sendo a principal o canal SMTR com VOCÊ, por meio do Whatsapp 98909-3717, que recebe sugestões e reclamações dos passageiros que utilizam diariamente o sistema, além de levar em conta as normas e medidas definidas para o combate à Covid-19 e o plano de retomada das atividades na cidade.

O comitê vai submeter relatórios parciais dos trabalhos ao secretário Paulo Jobim, que está acompanhando o processo de perto e fazendo as cobranças necessárias. Ao final de um mês, a equipe técnica deverá apresentar o relatório conclusivo, com os resultados obtidos e propostas de novas intervenções.

– Nossa missão é planejar a mobilidade urbana, de modo que a operação do transporte público da cidade funcione de acordo com a realidade dos passageiros. Vamos trabalhar, com muita responsabilidade, para implementar as mudanças necessárias, entendendo as peculiaridades do serviço, mas sem abrir mão do valor social, para que o cidadão tenha seu direito de ir e vir assegurado – concluiu o subsecretário de Transportes, Allan Borges.