Boas Histórias: Em um giro pela cidade, taxista conta como sua vida mudou após receber autonomia da Prefeitura

Publicado em 17/09/2019 - 18:18 | Atualizado em 21/11/2019 - 10:58
  • Início/
  • /
  • Boas Histórias: Em um giro pela cidade, taxista conta como sua vida mudou após receber autonomia da Prefeitura
Mariza Castro e seu táxiMariza Castro e seu táxi. Foto: Richard Santos/Prefeitura do Rio

“Vocês me dão licença, agora tenho que pegar minha passageira e seguir viagem”. A despedida de Mariza Castro, de 63 anos, após uma entrevista não tem a ver com pressa, mas com comemoração. Taxista há 11 anos, ela recebeu em março, da Prefeitura do Rio de Janeiro, a sua tão aguardada autonomia, documento fundamental para que os profissionais se libertem das diárias e façam seu próprio caminho.

Mariza, por exemplo, pagava R$ 1.300 por mês a um permissionário para rodar na cidade. Agora, como não tem esse gasto, pôde ajustar seus horários para trabalhar menos e ter mais tempo para novas atividades.

Quando começou, em 2008, ela dividia o carro com o marido, José Ricardo Queiroz, de 73 anos. Mas, após ele sofrer algumas isquemias, precisou se afastar do volante. Hoje, Ricardo pilota o fogão enquanto a mulher fica à frente do táxi.

Mariza e o marido, José Ricardo Queiroz Mariza e o marido, José Ricardo Queiroz. Foto: Richard Santos/Prefeitura do Rio

E é graças ao amarelinho, segundo Marisa, que seus filhos estão bem criados – uma mora nos Estados Unidos, onde estuda marketing digital; outro é engenheiro civil pela UFRJ; e o caçula faz engenharia mecânica também na federal do Rio. Um orgulho e tanto para quem agora diz: “O pesadelo acabou”.

– Agora faço o meu horário e sei que todo o dinheiro que eu ganho é meu – comemora Marisa.

Desde o início da atual gestão, a Prefeitura do Rio já entregou mais de 1.800 autonomias. Os beneficiados são motoristas auxiliares (homens e mulheres) com maior tempo de serviço. Seguindo o que foi estabelecido em decreto municipal, 10% das 80 autonomias entregues são reservadas a motoristas com deficiência, outros 10% a mulheres e mais 10% a taxistas que tenham pessoas com deficiência como dependentes econômicos. Atualmente, a cidade do Rio de Janeiro tem cerca de 31mil permissionários e 20 mil auxiliares de táxi.