Rio promove Conferência Nacional de Vigilância Sanitária com foco na prevenção de riscos à saúde

Publicado em 29/07/2019 - 10:10 | Atualizado
Fiscal da Vigilância Sanitária em ação. Foto: Prefeitura do RioFiscal da Vigilância Sanitária em ação. Foto: Prefeitura do Rio

Sustentabilidade, atuação em eventos de massa, cuidados com as zoonoses, segurança alimentar e a desburocratização da fiscalização. Para tratar desses e outros temas voltados à prevenção de riscos à saúde pública, a Prefeitura do Rio de Janeiro está promovendo a primeira edição da Convisa Rio, Conferência Nacional de Vigilância Sanitária, Vigilância em Zoonoses e Inspeção Agropecuária da Cidade do Rio de Janeiro. Com 56 palestrantes em 16 mesas-redondas e espaço para a mostra de trabalhos científicos e uma exposição com fotografias, documentos e outras peças do século passado, o evento acontecerá nos próximos dias 6, 7 e 8 de agosto, e vai marcar o Dia Nacional da Vigilância Sanitária, em 5 de agosto. Inscrições e mais informações estão em https://www.convisa.rio.

Organizada pela Subsecretaria de Vigilância, Fiscalização Sanitária e Controle de Zoonoses (Subvisa) e Secretaria Municipal de Saúde, a conferência será no Centro de Convenções SulAmérica, na Cidade Nova. Além da troca de experiência, o evento vai divulgar projetos da área desenvolvidos pela Prefeitura, como programas de zoonoses (doenças transmitidas aos homens por animais), roteiros de fiscalização em eventos de massa e inspeção agropecuária que este ano, com a implantação do Código Sanitário do Rio, passou a ser missão do município. Com atividades das 9h às 17h nos três dias em três salas do Mezzanino do SulAmérica, o encontro permitirá também a capacitação de servidores da Vigilância, que reservou 30% das vagas para seus técnicos.

500 congressistas

A Convisa Rio será aberta às 9h do dia 6, com homenagens a dois antigos gestores da Vigilância. Um deles é o delegado de Polícia Civil Fernando Villas Bôas (in memoriam), que esteve à frente do órgão de 2001 a 2005, quando faleceu aos 41 anos de febre maculosa. O outro é o médico-veterinário Heráclio Schiavo, que comandou as ações de Vigilância no Rio de Janeiro na década de 80, época de muitas conquistas para a área. Depois dos reconhecimentos, começam as mesas-redondas com palestrantes de instituições públicas e privadas do Rio e de outros estados, como São Paulo, Santa Catarina e Ceará, e até do México. A estimativa é que o evento reúna 500 congressistas, entre representantes dos setores regulados (como supermercados, restaurantes, hospitais, escolas e farmácias) e relacionados (shoppings e lojas de departamentos), pesquisadores, acadêmicos, órgãos fiscalizadores, gestores e técnicos de órgãos sanitários de diversos pontos do país.

Exposição

O público será recebido com a exposição “De 1917 a 2019: mais de 100 anos de história”. Com um acervo de cerca de 40 peças, a mostra conta a evolução da Vigilância Sanitária do Rio, que começa na época do surto de tuberculose na então capital federal do século passado, quando teve início a análise do leite bovino distribuído em carro de burro, no ainda Hospital de Medicina Veterinária do Governo Federal, em São Cristóvão. Fotografias, aparelhos como balança de precisão, animais conservados em formol para estudos e documentos de mais de 100 anos, como o primeiro termo de inspeção sanitária, dão vida à exposição que, depois da Convisa Rio, será transformada em permanente.

– Vamos levar a história da Vigilância aos alunos tanto das escolas públicas como das privadas, e assim reforçarmos as ações de prevenção aos riscos à saúde de todos. Por sua importância, ela será lançada justo na Convisa Rio, evento nacional que nos permitirá mostrar parte do trabalho da Vigilância do Rio, referência no Brasil em diversos projetos, como o Código Sanitário e a campanha de transparência para alertar os empresários e comerciantes sobre o golpe dos falsos fiscais – adianta a médica-veterinária Márcia Rolim, subsecretária de Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses do Rio.