Crivella visita Centro de Controle de Zoonoses na Zona Oeste

Publicado em 22/03/2019 - 14:16 | Atualizado em 24/03/2019 - 20:48
Foto: Mariana Ramos/Prefeitura do Rio

O prefeito Marcelo Crivella visitou, na manhã desta sexta-feira (22/03), o Centro de Controles de Zoonoses Paulo Dacorso Filho (CCZ), em Santa Cruz, Zona Oeste da cidade. A unidade comemorou 31 anos de fundação em janeiro, com o aumento de 70% nos atendimentos à população. Consultas, vacinação antirrábica e cirurgias em geral fazem parte do dia a dia do centro, que é responsável pela captura de grandes animais em vias públicas do Rio, pela orientação e monitoramento de infestações de insetos, roedores, bichos peçonhentos e outras pragas. E tem o único programa de tratamento domiciliar da esporotricose, micose causada por um fungo que vive no solo e provoca sérias lesões em gatos, afetando também humanos, com epidemia na cidade.

Prefeito visita sede do Centro de Centro de Controle de Zoonoses
Foto: Mariana Ramos/Prefeitura do Rio

– Estou orgulhoso do trabalho da nossa Vigilância Sanitária. Só no primeiro ano de governo, vacinamos cerca de 500 mil animais. No final do ano passado, conseguimos aprovar o novo Código de Vigilância Sanitária, um importante avanço para os profissionais dessa área da saúde. Fico feliz de saber que as pessoas estão reconhecendo que somos um governo de transparência e de muito trabalho – declarou o prefeito para os funcionários do CCZ.

Com o reforço de dois médicos-veterinários que chegaram esse ano, o CCZ saltou de 180 para 300 o número de atendimentos semanais do tratamento da esporotricose. O Centro também realiza inspeções em eventos que comercializam animais e produtos veterinários, estabelecimentos do segmento e em criações de animais, muitas em atendimentos a demandas recebidas na Central 1746.

A unidade conta com 125 servidores, entre médicos-veterinários, agentes de endemias e auxiliares de serviços veterinários. Eles se revezam nas ações de prevenção, educação em saúde e controle de zoonozes causadas pela fauna urbana, atuando ainda no resgate de animais suspeitos de zoonoses ou feridos em áreas públicas.

Entre as ações realizadas pelo CCZ no ano passado, mais de 441 mil animais foram imunizados com a antirrábica, 367 cães e gatos abandonados ou ferimentos foram recolhidos e 472 animais de grande porte foram retirados em vias públicas. As equipes fizeram 24.471 consultas, 6.148 cirurgias (4.431 delas de castração) e 7.237 atendimentos clínicos relacionados à esporotricose.

Monitoramento de zoonoses

Há um mês, o Centro de Controle de Zoonoses tem atuado na orientação e no monitoramento da leishmaniose no Camarista Méier, onde uma criança faleceu em fevereiro vítima da doença. Nas ações, os técnicos vêm interagindo com moradores, já imunizaram quase 300 animais (cães e gatos) com a vacina antirrábica e fizeram ainda exames de testagem para leishmaniose em cães.

Do total de 134 animais examinados, quatro deram resultado reagente e tiveram nova amostra de sangue coletada para o exame confirmatório de ELISA, como exige o protocolo. Mas com o surgimento de mais dois casos, o CCZ recolheu os quatro cães levados para o Laboratório Municipal de Saúde Pública (também da Vigilância), onde foram reavaliados e, confirmada a infecção pela doença, foram eutanasiados com a concordância dos donos. Vale destacar que nas três últimas ações feitas na comunidade, em quase 60 cães examinados nenhum apresentou resultado reagente.

As equipes seguem com ações no Camarista Méier orientando sobre a leishmaniose, recomendando aos moradores a procurar uma unidade de atenção básica da Secretaria Municipal de Saúde em caso de lesões na pele, febre, dor abdominal e qualquer outro sintoma atípico. Os técnicos reforçam também a necessidade da manutenção de limpeza da casa e do entorno. Outra recomendação é evitar a criação de galinhas, maior atrativo do inseto flebótomo, o mosquito-palha, transmissor da doença e encontrado em matas e em locais com acúmulo de resíduos, em especial, matéria orgânica em decomposição.

Criado em 1988, o CCZ fica no Largo do Bodegão, 150, em Santa Cruz. Os atendimentos são gratuitos e acontecem de segunda a sexta, das 8h às 16h, com plantões nos fins de semana e feriados para caso de emergência com animais.