Mulheres Inspiradoras: Professora traz mais afeto para alunos com atividades de acolhimento

Publicado em 07/03/2020 - 14:52 | Atualizado em 08/03/2020 - 10:47
Fátima RibeiroProfessora Fátima Ribeiro, que viralizou após cobrar pedágio dos alunos em forma de abraço. Foto: Marco Antonio Rezende / Prefeitura do Rio

O vídeo da professora Fátima Ribeiro viralizou em fevereiro deste ano nas redes sociais. As imagens dela “cobrando pedágio” dos alunos em forma de abraço, um passo de dança ou toque nas mãos foram postadas pela diretora da Escola Municipal Ginásio Olimpíadas Rio 2016, no Complexo da Maré, Ana Flávia Veras. A publicação alcançou mais de 600 mil visualizações, 14 mil compartilhamentos e inspirou outros profissionais. A repercussão foi tanta que a carioca, de 55 anos, já planeja outras iniciativas semelhantes.

– Recebi muitos pedidos de ajuda, inclusive de outros estados, profissionais querendo saber sobre a disciplina e outros projetos. Vou falar sobre a rotina do professor e compartilhar as experiências – revela a professora, que vai enfrentar a timidez para ficar diante das câmeras.

A atividade de acolhimento, inspirada em uma professora norte-americana, foi feita como boas-vindas para os alunos da disciplina Projeto de Vida, no primeiro dia de aula. Segundo Fátima, que também ensina Biologia, os alunos entre 12 e 14 anos aprendem a planejar o futuro na adolescência. O objetivo é mostrar a necessidade do planejamento para as conquistas na vida e a importância da educação para realizar os sonhos.

A vocação para a Pedagogia surgiu aos 16 anos. Na época, moradora do complexo, ela fazia trabalho voluntário em um projeto no qual dava aulas para alunos carentes com dificuldade de alfabetização. Hoje, também é coordenadora da disciplina na unidade. Ela acha que o vídeo aumentou a curiosidade de outros professores.

O tempo não apaga os alunos de sua memória. Há 29 anos na rede municipal, a educadora imprime fotos de cada um e as cola na parede da sala de aula. Cada imagem representa uma história, e Fátima sabe que sua profissão tem o poder de ajudar na construção dos sonhos dos alunos. A sala de aula permite também que ela compartilhe experiências com os alunos, que se sentem à vontade para desabafar, falar das tristezas e preocupações. Ela vai às lágrimas ao reconhecer sua importância no dia a dia deles:

– Eu me sinto realizada. Acho que estou contribuindo um pouco para mudar tudo o que está aí. Amo o que faço e fico feliz de ser uma referência para eles – afirma.

Professora Fátima Ribeiro
Professora Fátima Ribeiro. Foto: Marco Antonio Rezende / Prefeitura do Rio

Fátima relata uma feliz experiência no ano passado. Ela simulou uma entrevista de emprego em sala de aula. À medida que as perguntas eram realizadas, ela orientava os alunos sobre como se portar; explicava como funciona um processo seletivo; o que o recrutador espera e a importância da dinâmica de grupo. Dois alunos passaram num processo seletivo para jovem aprendiz e ligaram para Fátima, comemorando.

Além dos estudantes, ela tem três paixões. Alegre, a moradora de Olaria adora a companhia da família, sobrinhos e amigos. Botafoguense, sempre vai aos estádios acompanhar o time do coração e não foge de discussões sobre o esporte. A professora que contagia a todos ao redor não dispensa também uma dança de salão. Ao ser indagada sobre o dia da mulher, destaca:

– A sociedade reconhece a nossa importância, o quanto a mulher tem a contribuir como educadora, amiga, irmã e filha. Temos um papel fundamental também nas escolas, pois os alunos nos veem como pessoas que podem confiar e contar.

* Mulheres Inspiradoras é uma série de cinco reportagens com servidoras da Prefeitura e será publicada até domingo (08/03), Dia Internacional da Mulher 

 

Mulheres Inspiradoras: cirurgiã plástica do Souza Aguiar colocou o Rio na vanguarda do tratamento de queimados

Mulheres Inspiradoras: Para servidora, quem oferece ajuda voluntária é o maior beneficiado

Mulheres Inspiradoras: Gerente da Rio-Águas conta como é comandar grandes obras na cidade

Mulheres Inspiradoras: Comandante à frente de uma tropa com mais de 7.500 guardas municipais