Prefeitura celebra Dia do Autismo com ações de conscientização e inclusão

Publicado em 02/04/2019 - 19:04 | Atualizado em 04/04/2019 - 09:46
Arthur Cruz Dias da Costa, de 10 anos, que tem autismo clássico, brinca com a educadora Thereza Henriques, durante a visitaMarcos de Paula/Prefeitura do Rio

O diagnóstico é incontestável: o dia 2 de abril vai ficar na memória de Arthur Cruz Dias da Costa, 10 anos, portador do Transtorno do Espectro Autista. Junto com sua mãe, a técnica em Telecomunicações Mônica Cruz Dias da Costa, 45 anos, o menino visitou o Museu do Amanhã na tarde desta terça-feira, em uma programação especialmente criada para o Dia Mundial da Conscientização do Autismo. Foi a primeira vez que o menino entrou em um museu, que desenvolveu um formato diferente de visitação, conhecida como cognitiva-sensorial.

“A exposição principal foi totalmente adaptada, tanto a sonoridade quanto a luminosidade, tudo foi programado para proporcionar uma experiência agradável. Também produzimos tapetes e bichinhos de pelúcia para facilitar a aproximação e a interação”, explica Alice Azevedo, uma das quatro educadoras do museu que acompanharam Arthur e sua família durante a visita.

“Eu acho que esta é a verdadeira inclusão. Não é pegar uma criança especial e colocá-la em um ambiente vazio e fechado; é deixá-la interagir com as outras pessoas, conhecer coisas novas, provocar curiosidade. Isso é inclusão,” contou Mônica , mãe de Arthur.

Projeção em 360º encanta

Arthur encantou-se especialmente com “Cosmos”, uma projeção em 360º exibida em um domo, logo na abertura da exposição. A experiência, devidamente adaptada para pessoas com autismo, conta a história da formação do Universo e suas conexões com a raça humana e suas origens, o desenvolvimento da vida, do pensamento e da arte, com imagens que vão de átomos ao interior do sol.

“Sabemos que para as famílias que cuidam de crianças com autismo, coisas simples do cotidiano representam grandes vitórias. Por isso a Prefeitura do Rio tem como política permanente oferecer uma programação capaz de promover a interação social e o acesso cultural aos portadores do Transtorno do Espectro Autista. Em nossos museus, teatros, centros culturais, lonas a arenas, procuramos desenvolver ações de inclusão, conscientização e combate ao preconceito e discriminação”, afirma Mariana Ribas, Secretária Municipal de Cultura do Rio de Janeiro.