Zona Oeste é alvo de ação para combater pandemia do coronavírus

Publicado em 05/06/2020 - 15:31 | Atualizado
Força-tarefa da Prefeitura fiscalizou estabelecimentos comerciais e ambulantes, impediu o funcionamento de atividades não autorizadas e evitou aglomerações. Foto: Divulgação

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), realizou nesta sexta-feira, 05/06, ação para fiscalizar o comércio na Zona Oeste, como medida de combate à pandemia do novo coronavírus. A operação começou, pela manhã, por Curicica e ao longo da tarde seguiu para outros bairros da região. Para evitar aglomerações e proteger a população do risco de contaminação, a ação foi feita para impedir as atividades de lojas não essenciais, ambulantes irregulares e verificar as condições sanitárias de estabelecimentos (como mercados e restaurantes, ainda com restrição de consumo no local).

A força-tarefa da Prefeitura é formada por profissionais da Subsecretaria de Operações da Seop, Guarda Municipal, Subsecretaria de Licenciamento, Fiscalização e Controle Urbano (da secretaria de Fazenda), Subsecretaria de Vigilância Sanitária (Saúde), e Comlurb, além de policiais militares em apoio aos agentes municipais.

Balanço da ação na Uruguaiana e em Anchieta

Durante a ação na área do camelódromo da Uruguaiana, no Centro, na manhã e tarde desta quinta-feira (04/06), os agentes encontraram a maioria das lojas e boxes (488) fechados, fiscalizaram 11 estabelecimentos e orientaram 63 ambulantes irregulares a se retirarem. Cerca de 50 quilos de resíduos sólidos foram recolhidos das ruas.

Por volta das 16h, uma equipe da Guarda Municipal foi desacatada pelo proprietário de um boxe que chegou ao local e começou a ofender os agentes. O cidadão foi imobilizado e conduzido à 5ª DP (Centro), onde a ocorrência foi registrada.

Já à noite, a força-tarefa fechou 43 estabelecimentos encontrados em pleno funcionamento na Praça Granito, no Parque Anchieta, Zona Norte da cidade. No local, havia grande aglomeração de pessoas consumindo em mesas e cadeiras disponibilizadas pelos quiosques.

Números – Em mais de dois meses de operações, a Seop registrou 25.702 estabelecimentos fiscalizados, com 18.489 pontos comerciais fechados, de 18 de março a 4 de junho. Já as equipes do Disk Aglomeração (outra frente de fiscalização coordenada pela pasta) atenderam 8.661 ocorrências desde 31 de março. Os bairros mais demandados pelo serviço de dispersão de pessoas, com base em chamados à Central 1746, são: Campo Grande, Realengo, Bangu, Santa Cruz, Barra da Tijuca, Taquara, Tijuca, Centro, Copacabana e Recreio dos Bandeirantes.