Prefeitura fecha mais de cinco mil estabelecimentos por descumprirem decreto de combate à pandemia

Publicado em 01/05/2020 - 16:54 | Atualizado em 01/05/2020 - 17:44
Com ajuda da PM e da GM, Seop faz ação contra aglomerações em Jacarepaguá. Foto: Marco Antonio Rezende / Prefeitura do RioAção conjunta checa denúncias de abertura indevida do comércio em diversos bairros das zonas Sul, Norte e Oeste. Foto: Marco Antonio Rezende / Prefeitura do Rio

A Prefeitura do Rio já fechou mais de cinco mil estabelecimentos comerciais que descumpriam o decreto municipal de enfrentamento à pandemia de Covid-19 na cidade. O resultado é fruto de 105 ações conjuntas coordenadas, diariamente, há mais de um mês, pela Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop). Nesta sexta-feira, 1º de maio, Dia do Trabalhador, a força-tarefa fiscaliza denúncias de funcionamento indevido do comércio (lojista e ambulante) em Laranjeiras, Pavuna, Ilha do Governador, Rocha Miranda, Ramos e Guaratiba, bairros das zonas Sul, Norte e Oeste.

Como resultado parcial da operação, um restaurante em Laranjeiras, na Zona Sul, foi autuado e orientado a funcionar apenas com delivery. Na maioria dos endereços visitados, até o momento, não foram constatadas irregularidades. O objetivo da fiscalização é coibir as aglomerações e, assim, evitar a rápida propagação do vírus.

Acumulado – Iniciadas em 18 de março, as ações diárias integradas pela Seop com foco no comércio resultaram no fechamento de 5.671 estabelecimentos dos 8.271 visitados até esta quinta-feira (30/04).

Órgãos – A força-tarefa conta com efetivos da Subsecretaria de Operações (Subop) da Seop; Guarda Municipal; Subsecretaria de Licenciamento, Fiscalização e Controle Urbano, vinculada à Secretaria Municipal de Fazenda; Subsecretaria de Vigilância Sanitária, que integra a Secretaria Municipal de Saúde; e Comlurb.

Em um mês, Disk Aglomeração atendeu 3,8 mil solicitações

Outra frente de fiscalização coordenada pela Seop, o Disk Aglomeração atendeu em um mês de funcionamento 3.886 ocorrências (de 31 de março a 30 de abril). Os bairros mais demandados, ontem, foram: Campo Grande, Bangu, Realengo, Santa Cruz, Taquara, Barra da Tijuca, Centro, Copacabana, Tijuca e Recreio dos Bandeirantes.

O serviço funciona, principalmente, com base em chamados feitos à Central 1746, e a maioria dos atendimentos é para dispersar grupos de pessoas em estabelecimentos essenciais e áreas públicas.

 

Coronavírus: Disk Aglomeração ultrapassa 3,5 mil atendimentos