Projeto Garupa vai às ruas para garantir que pessoas trans e travestis tenham acesso a serviço de saúde

Publicado em 20/08/2021 - 22:00 | Atualizado em 20/08/2021 - 22:04
  • Início/
  • /
  • Projeto Garupa vai às ruas para garantir que pessoas trans e travestis tenham acesso a serviço de saúde
Atendimento do Projeto Garupa - Divulgação / Prefeitura do Rio

O Projeto Garupa foi à Lapa nesta sexta-feira (20/08) para levar informações sobre o combate à Covid-19 e cadastrar pessoas trans e travestis em vulnerabilidade na rede municipal de saúde. A iniciativa é da Coordenadoria Executiva da Diversidade Sexual, vinculada à Secretaria de Governo e Integridade Pública da Prefeitura do Rio, e acontece em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde e a Coordenadoria-Geral de Relações Internacionais e Cooperação.

Durante a ação, agentes de promoção de saúde também visitaram a Associação de Travestis e Mulheres Trans da Lapa Sementes de Luana Muniz, cujos moradores foram inscritos no projeto. Localizada na Avenida Mem de Sá, a associação acolhe quem vive em situação de vulnerabilidade. Duas pessoas que ainda não haviam tomado a vacina contra a Covid-19 foram acompanhadas até o Centro de Saúde Escola Lapa, onde receberam a 1ª dose do imunizante. Em seguida, a equipe continuou a realizar o cadastramento pelas ruas do Centro.

– Eu estava com medo de tomar a vacina por causa da reação, mas é para o nosso bem, para a gente se prevenir –  disse Luana Inocêncio, de 26 anos, uma das imunizadas.

Lançado no fim de julho, o Projeto Garupa busca identificar e desconstruir as barreiras de acesso da população LGBTI+ à saúde, em especial as do segmento trans e travesti. Para isso, o programa conta com uma equipe de dez vinculadores, responsáveis por contatar essas pessoas, cadastrá-las na rede municipal de saúde e garantir que sejam vacinadas contra a Covid-19.

 

– Normalmente, nossas ações acontecem individualmente. Cada agente é responsável por uma área programática da cidade, e busca possíveis contemplados nas ruas e por meio das redes sociais. Dessa vez, estamos reunindo a equipe para uma ação conjunta, com o objetivo de reforçar esse vínculo com a população em vulnerabilidade e garantir que ela acesse seu direito à saúde – afirma o coordenador da Diversidade Sexual do Rio, Carlos Tufvesson, acrescentando: – O Garupa é fundamental para que possamos ter um retrato dos LGBTI+ vulneráveis, em especial das pessoas trans e travestis, e, assim, construir outros projetos de inclusão social, como de inserção no mercado de trabalho e no ensino profissionalizante.

 

Durante as ações, também são coletadas informações sobre a condição de vida dos usuários do projeto. O objetivo do levantamento é obter um retrato da população trans e travesti carioca, a fim de embasar futuras políticas públicas voltadas a esta comunidade. Até o momento, mais de 400 pessoas já foram cadastradas pelo projeto. Os cidadãos também podem fazer o pré-cadastro por meio do link https://bit.ly/projeto-garupa, para que a equipe os contate, em seguida.

 

– Garantir o acesso dos grupos em maior vulnerabilidade social é essencial. A universalidade e a equidade são princípios fundamentais do SUS e todo esforço deve ser feito para alcançar essas pessoas que mais precisam e trazê-las para o serviço de saúde. O Projeto Garupa faz exatamente esse trabalho, indo até as pessoas LGBTI+ vulneráveis onde elas se encontram e mostrando que as unidades de saúde estão de portas abertas para atendê-las. Não é um favor, é o direito delas como cidadãs  – diz o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz.

 

O Projeto Garupa é uma das 18 iniciativas para a vacinação selecionadas para participarem do “Partnership for Healthy Cities: Covid-19 Response” (em português: “Parceria para Cidades Saudáveis: Resposta para a Covid-19). A iniciativa, liderada pela Bloomberg Philanthropies em parceria com a Organização Mundial da Saúde e a Vital Strategies, concedeu ao Rio de Janeiro US$ 50 mil para a execução do programa. Além do Rio, foram contemplados projetos de cidades como Guadalajara, no México, Cidade do Cabo, na África do Sul, e Medellín, na Colômbia. Fortaleza, no Ceará, é a outra representante brasileira no grupo.

  • 20 de agosto de 2021