Prefeitura do Rio lança programa de preservação de espécies da flora brasileira ameaçadas de extinção

Publicado em 04/06/2020 - 18:32 | Atualizado em 05/06/2020 - 15:14
O programa Bandeira Verde busca estimular a biodiversidade e preservar espécies raras da flora brasileira ameaçadas de extinção.Foto: André Santos/ Prefeitura do Rio

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, lançou o programa Bandeira Verde, para estimular a biodiversidade e preservar espécies raras da flora brasileira ameaçadas de extinção. O anúncio foi feito pelo secretário de Meio Ambiente, Bernardo Egas, nesta quinta-feira, 04/06, durante visita ao Horto Carlos Toledo Rizzini, no Parque Natural Municipal do Bosque da Barra, na Zona Oeste.

De acordo com o secretário, o Horto do Bosque da Barra, especializado em produção de mudas de espécies de restinga, será reformado para ser ampliado e abrigar a sede do programa Bandeira Verde.

É lá que estão sendo cultivadas as sementes recuperadas de uma espécie nativa brasileira que era considerada extinta desde 1932. A Guarajuba foi redescoberta em 2005 por um técnico do programa de reflorestamento da Prefeitura que identificou a espécie em Guaratiba. Desde então novas mudas da espécie são produzidas nos viveiros do Horto da Barra.

Além disso, a Secretaria está em parceria com Jardim Botânico para a criação de uma rede de troca de sementes com o Fórum de Secretários de Meio Ambiente das Capitais Brasileiras (CB27). Desta forma, mais espécies poderão ser recuperadas em todo país.

Horto Laboratório

Inaugurado em 1997, o Horto Carlos Toledo Rizzini, foi construído originalmente para produzir mudas de restinga, espécies raras e ameaçadas de extinção. Ao longo do tempo, ganhou laboratório equipado com estufas, câmara de germinação entre outros recursos, que permitiu a geração de conhecimento inédito sobre as etapas do processo de produção de mudas de restinga.

É considerado uma referência na produção de mudas de espécies de restinga, e tem sido a base do programa de recuperação da vegetação das praias cariocas, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

Em uma área de 7 mil metros quadrados, o Horto produz atualmente 150 espécies presentes em diferentes ecossistemas do bioma Mata Atlântica. Destas espécies, 25 são consideradas ameaçadas de extinção no Rio.

– Eu tenho certeza que em várias capitais a gente tem também espécies muito interessantes para participar desse programa. Vamos adotar, no fórum, o lema da ONU para 2020, o ano da Biodiversidade, ressalta o secretário de Meio de Meio Ambiente do Rio.