Jardim de Chuva de Copacabana ganha equipamentos especiais para monitoramento de drenagem

Publicado em 20/08/2021 - 14:41 | Atualizado
Trabalho em Copacabana será realizado ao longo de um ano - Divulgação/Prefeitura

A parceria entre a Fundação Parques e Jardins (FPJ), vinculada à Secretaria do Meio Ambiente, e a Universidade Veiga de Almeida (UVA), para monitoramento do jardim de chuva de Copacabana, ganhou novos equipamentos que irão acompanhar o desempenho dos recursos de drenagem instalados em um canteiro especial da Rua Almirante Gonçalves.

Para medir a taxa de infiltração, velocidade com que determinado volume de chuva demora para penetrar no solo ao longo do tempo, será usado um infiltrômetro. O aparelho foi doado pelo empresário Jorge Nakamura, da empresa ArqMetal, ao projeto de iniciação científica “iniciação científica “Que Chuva É Essa?”, da UVA. No trabalho, os pesquisadores também irão utilizar uma estação de monitoramento, que inclui sensores com Arduino (plataforma de baixo custo) para acompanhar a umidade do solo e do ar, a temperatura e alguns gases poluentes.

Com seis metros de comprimento, três de largura e um de profundidade, o canteiro especial foi recuperado e preparado pela FPJ para que os testes sejam iniciados nos próximos dias. O trabalho em Copacabana será realizado ao longo de um ano. Dessa forma, será possível obter um diagnóstico completo, levando em consideração o ciclo das chuvas. Durante o período de avaliação, coleta e análise dos dados, algumas modificações poderão ser implementadas para melhorar o desempenho do jardim.

O Jardim de Chuva de Copacabana foi um projeto-piloto construído em parceria entre a Prefeitura e os moradores da Rua Almirante Gonçalves para auxiliar na drenagem das águas pluviais. Porém, com algumas alterações realizadas pelos próprios moradores do entorno, deixou de cumprir plenamente sua função. Para a recuperação do espaço foi necessário remover toda a vegetação que estava inadequada à proposta, retirar a camada superficial do substrato argiloso e substituí-la por uma camada mais arenosa. As equipes também retiraram a manta sombrite que será trocada por uma nova.

Jardins de Chuva
Segundo os pesquisadores, os Jardins de Chuva são soluções de baixo custo, com base na natureza, que utilizam a atividade biológica de plantas e microorganismos para remover os poluentes das águas pluviais e assim reter a chuva no solo, mitigando os impactos dos alagamentos. Os Jardins de Chuva têm a função de coletar e absorver o escoamento superficial das águas da chuva, reduzindo significativamente seu volume e direcionando esse escoamento ao sistema de drenagem de água urbana.
Dados recentes do portal especializado ECycle, mostram que os Jardins de Chuva removem até 90% dos produtos químicos e nutrientes que habitualmente identificados na composição das águas das chuvas. A solução também possibilita o aumento da biodiversidade, diminui alagamentos e melhora a qualidade do ar.

  • 20 de agosto de 2021