Com uso de helicóptero, Secretaria do Ambiente e Clima e PM desmobilizam aterro clandestino em Vargem Grande

Publicado em 25/10/2022 - 14:38 | Atualizado
  • Início/
  • /
  • Com uso de helicóptero, Secretaria do Ambiente e Clima e PM desmobilizam aterro clandestino em Vargem Grande
A área degradada tem cerca de 50 mil metros quadrados, o que corresponde a cinco campos oficiais de futebol - Divulgação

A Secretaria Municipal do Ambiente e Clima (SMAC) realizou uma grande operação na manhã desta terça-feira (25/10), com o apoio da Polícia Militar Ambiental, para desmobilizar um aterro clandestino de entulho, na comunidade Santa Luzia, em Vargem Grande. A ação contou com o apoio de um helicóptero da PM.  As denúncias sobre a irregularidade foram enviadas para a Subprefeitura da Barra, Recreio e Vargens.

Os fiscais da Coordenadoria de Defesa Ambiental da SMAC identificaram extensa degradação da área, além de supressão de vegetação e aterramento de um rio. Uma marmoraria clandestina também foi fechada na comunidade. Outros órgãos de fiscalização já haviam tentado acessar o local para combater a irregularidade, mas sem sucesso, já que pessoas, com rádio transmissores, avisavam sobre a chegada das equipes, gerando a fuga dos operários. Desta vez, as equipes conseguiram chegar pelo alto, flagrando a ação irregular.

 

– Isso é um verdadeiro crime ambiental que pode gerar multa que varia entre R$ 5 mil e R$ 5 milhões. Vamos manter a fiscalização para identificar, apreender as máquinas e punir os responsáveis – afirmou o coordenador de Defesa Ambiental, José Maurício Padrone.

 

A área degradada tem cerca de 50 mil metros quadrados, o que corresponde a cinco campos oficiais de futebol. O vice-prefeito e secretário municipal do Ambiente e Clima, Nilton Caldeira, destacou o prejuízo da ação ilegal aos moradores da região.

 

– A utilização do terreno para o aterro clandestino só traz prejuízos aos moradores. O canal constantemente transborda e impede que a Rio Águas realize o trabalho de drenagem do canal. Uma atividade degradadora como essa só poderia funcionar se houvesse a devida licença ambiental, de acordo com a legislação vigente, além de acompanhamento técnico, o que não é o caso do que a equipe encontrou na região.

 

Dois operários e um encarregado foram conduzidos para a 42º DP (Recreio).

  • 25 de outubro de 2022
  • Skip to content