Chuvas: Defesa Civil municipal registra 349 chamados

Publicado em 02/03/2020 - 09:39 | Atualizado

A Subsecretaria de Proteção e Defesa Civil, subordinada à Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), recebeu, das 20h30 de sábado (29/02) até as 6h desta segunda-feira (02/03), 349 chamados, sendo os principais por desabamento de estrutura (121), deslizamento de barreiras e encostas (79), ameaça de desabamento de estrutura (63) e imóveis com rachadura e infiltração (31). Os bairros de maior demanda são: Realengo (62 ocorrências), Taquara (36), Campo Grande (31), Bangu (17), Deodoro (14) e Tijuca (11).

Técnicos do órgão atuam desde a madrugada do dia 1° no atendimento dos chamados que chegam via canal 199. Até o momento, foram registradas 18 interdições emergenciais.

Sirenes – Ao todo, foram acionadas 30 sirenes em 16 (das 103) comunidades de alto risco geológico do município entre 23h44 de sábado e 13h07 de domingo. São elas: Rocinha, Alemão, Joaquim de Queiroz, Morro da Fé, Rua Frey Gaspar, Nova Brasília, Palmeiras, Parque Alvorada, Cariri, Vila Cruzeiro, Rua Mirá, Adeus, Piancó, Sítio Pai João, Comandante Luiz Souto e Espírito Santo. As localidades são monitoradas 24 horas pelo sistema de alertas sonoros da cidade, que é acionado quando o índice pluviométrico atinge protocolos de desocupação preventiva.

A avaliação dos índices críticos de chuva é feita por meteorologistas do Sistema Alerta Rio, lotados no Centro de Operações Rio (COR), onde profissionais da DCRJ atuam, de forma integrada e ininterrupta. O sistema conta ainda com a participação de líderes e voluntários da comunidade, além de pontos de apoio previamente definidos, caso haja a necessidade de evacuar provisoriamente moradores. O Sistema de Alerta e Alarme Comunitário para Chuvas Fortes da Prefeitura do Rio conta com 83 pluviômetros da Defesa Civil, 165 sirenes e 194 pontos de apoio.

  • 2 de março de 2020