Parceria da Cultura com outras secretarias leva servidores e moradores de favelas a espetáculos

Publicado em 24/02/2022 - 18:19 | Atualizado
Grupo é levado a teatro no Copacabana Palace - Divulgação

A Secretaria Municipal de Cultura do Rio vem disponibilizando ingressos de espetáculos para servidores e moradores de favelas em parceria com as secretarias de Ação Comunitária, Fazenda, Transporte e Governo. Uma
política de formação de plateia e democratização de acesso aos bens culturais da cidade. Neste fim de semana, parte da equipe de comunicação da SMC acompanhou uma turma do Complexo do Alemão em visita ao Teatro do
Copacabana Palace, onde está em cartaz a peça “Copacabana Palace – O Musical”, idealizada e dirigida por Gustavo Wabner para a reinauguração do espaço, fechado desde 1994. No elenco, nomes como Suely Franco, Claudio Lins e Vanessa Gerbelli. A maioria dos convidados pisou pela primeira vez no Copa.

 

– É muito importante proporcionar cultura para as comunidades e áreas carentes, ainda mais agora na pandemia, um tempo tão sofrido – opina a auxiliar de serviços gerais Fabiana Barboza, de 40 anos.

 

Cultura e acesso à cidade são causas que andam juntas quando o assunto é igualdade social. Pensando nisso, a Secretaria Especial de Ação Comunitária repassa os ingressos como parte do programa “Turistando com a Comunidade”, que leva moradores de periferias e favelas a atrações culturais e passeios turístico.

– O projeto proporciona aos moradores de favelas e comunidades o direito de conhecer a cidade onde moram. A parceria com a Cultura está sendo fundamental. Muitos desses cariocas nunca imaginaram estar em lugares
como o Hotel Copacabana Palace, por e exemplo – comenta a secretária de Ação Comunitária, Marli Peçanha.

A ação integrada também cuida do traslado. A dupla de guias de turismo Aline Abrahão e Maria Aparecida dos Santos, junto com o monitor Michael Douglas, anima ainda mais o passeio. Durante o trajeto, eles contam histórias relacionadas aos eventos em questão para estimular a curiosidade. A meta é alcançar 200 pessoas por mês.

– Esse projeto é maravilhoso e me proporcionou uma viagem no tempo – diz Janete Freitas, 68 anos, que levou as três netas (Emanuelle Freitas, 25, Clara Freitas, 23, e Marianna Braga, 12) ao passeio. – O caminho para uma sociedade melhor é pela cultura e educação, por isso projetos assim são tão importantes para nós.

 

A viabilização dos ingressos é consequência de uma política de contrapartida, ou seja, envolve atrações patrocinadas por editais e ou leis de incentivo. Tal iniciativa fortalece o acesso a lugares que, em grande parte, excluem a população vulnerável.

Na van que leva os convidados, o clima é de festa antes mesmo de chegar ao destino, com direito a lanche.

– Nunca tinha ido a um musical. Foi o que mais me impressionou – conta a trancista Jennifer Muniz, de 19 anos, que mora no Complexo do Alemão e pretende voltar logo ao teatro.

  • 24 de fevereiro de 2022