Museu de Arte do Rio comemora Dia do Clóvis com programação gratuita

Publicado em 25/11/2022 - 14:17 | Atualizado
A Prefeitura fez um mapeamento e cadastrou 400 grupos de bate-bola - Arquivo/Prefeitura do Rio

O Museu de Arte do Rio, em parceria com a Prefeitura, via Secretaria Municipal de Cultura, comemora neste domingo (27/11) o Dia do Clóvis, também conhecidos como bate-bolas. A programação no pilotis será gratuita, incluindo mesa de conversa, desfile e saída dos foliões. Bate-bola é o nome das fantasias carnavalescas características do subúrbio carioca, uma tradição considerada patrimônio cultural em bairros das zonas Norte e Oeste.

Entre os convidados do primeiro papo estão Priscila Andrade, professora, pesquisadora, designer da PUC-Rio, e Aline Valadão, doutoranda no Programa de Pós-Graduação em História da Arte da UERJ, mestre em Arte e Cultura Contemporânea pelo PPGARTES/ UERJ e especialista em Moda e Estudos da Indumentária. O secretário municipal de Cultura Marcus Faustini será o mediador. O evento terá início às 14h30.

Outro destaque na agenda, às 15h, será a saída dos bate-bolas da Associação Cultural das turmas de Bate-Bola RJ e da Liga Independente Carnavalesca Clóvis de Bate-Bola, seguido de um desfile com o Bloco Cordão da Bola Laranja.

Os bate-bolas, grupos de foliões típicos do subúrbio, foram declarados Patrimônio Cultural Carioca de Natureza Imaterial pela Prefeitura do Rio em 2012 e seguem alegrando as ruas por onde passam com suas roupas coloridas e seu modo irreverente de festejar. O decreto n°35134 ressalta a importância dos grupos como personagens do carnaval e ainda a capacidade popular de produzir uma manifestação tradicional como forma de resistência à massificação da folia.

Pela primeira vez, os grupos de bate-bola foram mapeados pelo poder público ao longo de 2021, por iniciativa do secretário Marcus Faustini. A Secretaria Municipal de Cultura entregou um certificado a cada um dos 400 grupos de bate-bola que se cadastraram na Prefeitura. Cada grupo reúne, em média, cem integrantes, somando quatro mil pessoas.

– A partir deste mapeamento, será possível criar políticas públicas para os bate-bolas, que nunca tiveram o devido reconhecimento – diz Faustini.

Para o diretor e chefe da Representação da Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI) no Brasil, Raphael Callou, a iniciativa é uma ótima oportunidade de aproximar o espaço museal e a cultura popular carioca.

– Os bate-bolas são muito importantes no cenário cultural carioca e muito presentes no subúrbio da cidade. Nesse sentido, a parceria com a Prefeitura do Rio e com a Secretaria Municipal de Cultura viabiliza a nossa missão de ser um espaço artístico plural, aberto ao diálogo com todos e conectado com o território que habitamos – afirma.

O Museu de Arte do Rio

Iniciativa da Prefeitura do Rio em parceria com a Fundação Roberto Marinho, o Museu de Arte do Rio passou a ser gerido pela OEI desde janeiro deste ano, apoiando as programações expositivas e educativas do MAR a partir de um conjunto amplo de atividades para os próximos anos.

– A OEI é um organismo internacional de cooperação que tem na cultura, na educação e na ciência os seus mandatos institucionais, desde sua fundação em 1949. O Museu de Arte do Rio, para a OEI, representa um instrumento de fortalecimento do acesso à cultura, intimamente relacionado com o território, além de contribuir para a formação nas artes, tendo no Rio de Janeiro, por meio da sua história e suas expressões, a matéria-prima para o nosso trabalho – comenta Raphael Callou.

Após o início das atividades em 2021, a OEI e o Instituto Odeon celebraram parceria com o intuito de fortalecer as ações desenvolvidas no museu, conjugando esforços e revigorando o impacto cultural e educativo do MAR, onde o Odeon passa a auxiliar na correalização da programação.

O Museu de Arte do Rio tem o Instituto Cultural Vale como mantenedor, a Equinor como patrocinadora master, o Itaú como patrocinador, o Grupo Renner e o Instituto Yduqs – Estácio de Sá como apoiadores, todos por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. A Escola do Olhar conta com o patrocínio da Wilson Sons e Machado Meyer Advogados via Lei Federal de Incentivo à Cultura. Por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura – Lei do ISS, é também patrocinada pelo RIOgaleão e Icatu e tem a Cultura Inglesa como apoiadora Educacional. A Globo e o Canal Curta são os parceiros de mídia do MAR.

O MAR conta ainda com o apoio do Governo do Estado do Rio de Janeiro e realização da Secretaria Especial de Cultura, Ministério do Turismo e do Governo Federal do Brasil, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. Outras informações em www.museudeartedorio.org.br

Data: 27 de novembro

Local: Pilotis do MAR

14h30- Mesa de conversa sobre a cultura e história dos bate-bolas com as convidadas Priscila Andrade, professora, pesquisadora, designer PUC-Rio e Aline Valadão, doutoranda no Programa de Pós-Graduação em História da Arte da UERJ, mestre em Arte e Cultura Contemporânea pelo PPGARTES/ UERJ e especialista em Moda e Estudos da Indumentária. A mediação será de Marcus Faustini, Secretário de Cultura da Cidade do Rio de Janeiro;

15h-Saída dos bate-bolas da Associação Cultural das turmas de Bate-Bola RJ e Liga Independente Carnavalesca Clóvis e Bate-Bola no pilotis do MAR;

16h- Desfile com o Bloco Cordão da Bola Laranja;

17h- Encerramento da celebração.

Museu de Arte do Rio – MAR: Praça Mauá, 5 – Centro

  • 25 de novembro de 2022
  • Skip to content