Exposição no Muhcab destaca o pioneirismo de Lima Barreto no Modernismo com imagens criadas a partir de seus textos

Publicado em 09/03/2022 - 15:26 | Atualizado
  • Início/
  • /
  • Exposição no Muhcab destaca o pioneirismo de Lima Barreto no Modernismo com imagens criadas a partir de seus textos
A curadoria selecionou 22 artistas plásticos para criarem obras a partir dos textos de Lima Barreto - Divulgação

Destaque na edição 2022 da Festa Literária das Periferias (Flup), a obra de Lima Barreto ganha outros contornos no Museu da História e da Cultura Afro-Brasileira (Muhcab), que recebe a mostra Essa minha letra, inaugurando uma nova sala de exposições temporárias chamada Mercedes Baptista. A curadoria é de Lilia Schwarcz, Jaime Lauriano e Pedro Meira Monteiro, que selecionaram 22 artistas plásticos. Cada um deles exibe uma obra de arte inspirada em textos de Lima Barreto, entre fragmentos de romances, contos e crônicas.

Entre os artistas selecionados estão Wallace Pato, Raul Mourão e Rafael Bqueer. São imagens criadas a partir de textos de Lima Barreto. Reproduções de telas criadas exclusivamente para a exposição, com o fragmento da obra do autor que inspirou a tela, descrito no verso.

 

– Lima Barreto é o ícone máximo do Modernismo Negro, ele é a maior evidência de que antes de 1922 muitos artistas negros já eram modernistas. A exposição discute a invisibilidade destes artistas para o movimento paulista que ganhou notoriedade – ressaltou Leandro Santanna, diretor do Muhcab.

 

Segundo ele, a obra de Barreto já trazia inquietações típicas do Modernismo, como as reflexões sobre a identidade nacional presentes em Triste Fim de Policarpo Quaresma (1915).

 

– Na narrativa hegemônica sobre a Semana de Arte Moderna de 1922, temos um movimento concentrado em São Paulo e dominado pela elite branca. Em razão disso, esta exposição pretende deslocar o olhar das comemorações do Modernismo para Lima Barreto, por muito tempo esquecido pela crítica e pelo público – comentou Santanna.

 

Após a temporada no Muhcab, as obras serão espalhadas pelas ruas e escolas do Rio de Janeiro – Divulgação

 

A coleção realça ainda a natureza irônica, militante e autobiográfica da obra de Lima Barreto, que já naquela época denunciava as mazelas do racismo e as consequências da escravidão.

Após a temporada no Muhcab, as obras serão espalhadas pelas ruas e escolas do Rio de Janeiro.

Afonso Henriques de Lima Barreto nasceu em 13 de maio de 1881, no Rio, e morreu em novembro de 1922 afundado na miséria e no alcoolismo.

 

MUHCAB – Museu da História e da Cultura Afro-Brasileira: Rua Pedro Ernesto 80, Gamboa. Quinta a sábado,, das 10h às 17h. Até 2 de abril. Grátis. Livre.

  • 9 de março de 2022