Projeto Acolhe Rio, direcionado à população em situação de rua, comemora bons resultados

Publicado em 09/12/2019 - 19:15 | Atualizado em 09/12/2019 - 19:18
Equipe de técnicos da Secretaria de Assistência Social e Desenvolvimento Humano foi homenageada pelo bom resultado do projeto. Foto: Marcos de Paula / Prefeitura do RioEquipe de técnicos da Secretaria de Assistência Social e Desenvolvimento Humano foi homenageada pelo bom resultado do projeto. Foto: Marcos de Paula / Prefeitura do Rio

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, apresentou nesta segunda-feira, 9 de dezembro, no Palácio da Cidade, os resultados alcançados pelo Projeto Acolhe Rio. A iniciativa oferece à população em situação de rua serviços municipais de assistência social e saúde, além de abordagens de segurança e salubridade pública. Coordenado pela Superintendência do Centro, o projeto é integrado com Comlurb, Guarda Municipal, Secretaria Municipal de Assistência Social e Desenvolvimento Humano e Polícia Militar.

– Quem pensa nos outros pensa como Deus. E é isso que este projeto faz ao acolher pessoas de rua. Esse amor, por isso se chama graça, que é espontâneo e natural, é o que faz com que esse projeto ocorra com o esforço de vocês todos. Essas pessoas esquecidas, obscuras e anônimas dependem do amor e da graça de vocês – disse o prefeito Marcelo Crivella, que também homenageou os técnicos do Acolhe Rio com a entrega de certificados.

Nas missões integradas de acolhimento, os técnicos abordam a população em situação de rua de maneira humanizada. Os assistentes sociais fazem o primeiro atendimento para identificar as necessidades de cada um. São ofertados cuidados nos dispositivos sociais da Prefeitura, para que as pessoas tenham acesso a banho, alimentação, roupa e hotelaria, no Centro de População de Rua ou no Hotel Popular, localizados na região central da cidade. Se existe um problema de saúde, por exemplo, o cidadão é encaminhado ao hospital.

A Comlurb faz a limpeza e garante a salubridade do local, enquanto Guarda Municipal e Polícia Militar se responsabilizam pela segurança, tanto dos profissionais, como dos cidadãos que transitam naquela região. Objetos perigosos, como facas, são recolhidos.

Os números são impressionantes. Só neste ano foram 1.231 missões realizadas, com uma média de 104 pessoas atendidas por dia. Os agentes da Prefeitura recolheram 147 objetos perigosos e retiraram 103 toneladas de resíduos da área onde a população atendida vive.

O Guarda municipal Luiz Alexandre Santos recebeu o título de parceiro do Acolhe Rio. Foto: Marcos de Paula / Prefeitura do Rio
O guarda municipal Luiz Alexandre Santos recebeu o título de parceiro do Acolhe Rio. Foto: Marcos de Paula / Prefeitura do Rio

Um dos homenageados no evento realizado no Palácio, o guarda municipal e assessor de políticas públicas Luiz Alexandre Santos é responsável pelo planejamento e coordenação das missões de acolhimento. Feliz com os bons resultados do projeto, ele contou como funciona o trabalho nas ruas.

– Nós temos encontrado diversas situações. Pessoas que têm problemas com drogas, perdidas, com problemas graves de saúde, carentes… Umas têm residência e não conseguem voltar para casa. Ajudamos de todas as formas que podemos. Oferecemos assistência social e saúde, além de outros serviços. É muito gratificante receber o reconhecimento do representante máximo da cidade do Rio, que é o prefeito – disse Luiz Alexandre.

Sobre o Acolhe Rio

O Acolhe Rio está alinhado com a legislação vigente quanto ao atendimento à população em situação de rua e à segurança pública, com abordagens especializadas e ações conjuntas. O objetivo é garantir que estas pessoas em estado de vulnerabilidade possam, de forma voluntaria, usufruir dos serviços públicos ofertados e atender as regras de convívio em sociedade.