Prefeitura fecha sete lojas no Mercadão de Madureira por desacordo com decreto municipal de combate à pandemia

Publicado em 25/05/2020 - 19:04 | Atualizado
Operação foi realizada na manhã desta segunda-feira (25/05). Foto: Divulgação / Prefeitura do RioOperação foi realizada na manhã desta segunda-feira (25/05). Foto: Divulgação / Prefeitura do Rio
A Prefeitura do Rio, por meio das secretarias de Ordem Pública (Seop) e de Fazenda, fechou, na manhã desta segunda-feira, dia 25/05, sete lojas das 41 fiscalizadas no Mercadão de Madureira, tradicional ponto comercial do bairro da Zona Norte. A ação conjunta resultou ainda na apreensão de 290 maços de cigarros e 75 isqueiros com ambulante irregular na Avenida Edgard Romero. As ações na região continuaram ao longo do dia em Rocha Miranda e Turiaçu.

Durante a fiscalização em Madureira, os agentes municipais encontraram a maioria dos estabelecimentos (305) fechados, uma loja foi notificada por exposição irregular de mercadoria no logradouro público, e oito ambulantes foram orientados a se retirar. Coordenada pela Seop, a operação fiscaliza todo o comércio (tanto ambulante quanto lojista) para coibir o descumprimento do decreto municipal de combate ao novo coronavírus e evitar aglomerações.

Histórico – Madureira é um dos bairros que recebem, semanalmente, ações conjuntas da Seop. Na última quinta, dia 21/05, 1.840 produtos irregulares foram apreendidos. Ao todo, 27 ambulantes foram orientados a encerrarem suas atividades, e 27 lojas foram fiscalizadas, todas autorizadas a funcionar de acordo com o decreto. Já no dia 12/05, a força-tarefa fechou sete estabelecimentos dos 22 abertos fiscalizados, e 31 ambulantes foram orientados a desocupar o espaço público.

Acumulado – Em pouco mais de dois meses de ações diárias em toda a cidade (18 de março a 24 de maio), a Seop registrou 19.332 estabelecimentos fiscalizados, registrando 13.952 pontos comerciais fechados.

Órgãos – A força-tarefa contou com efetivos da Subsecretaria de Operações (Subop) da Seop; Guarda Municipal; Subsecretaria de Licenciamento, Fiscalização e Controle Urbano, vinculada à Secretaria Municipal de Fazenda; e Comlurb.

Disk Aglomeração atendeu de 7,5 mil solicitações

Outra frente de fiscalização coordenada pela Seop – com a participação de guardas municipais e policiais militares (Programa Rio+Seguro) –, o Disk Aglomeração atendeu 7.457 ocorrências, de 31 de março até este domingo, 24 de maio. Os bairros mais demandados, até ontem, foram: Campo Grande, Realengo, Bangu, Santa Cruz, Taquara, Barra da Tijuca, Tijuca, Centro, Copacabana e Recreio dos Bandeirantes.

O serviço de dispersão de pessoas funciona, principalmente, com base em chamados feitos à Central 1746. No planejamento operacional, a prioridade é para demandas como aglomerações em estabelecimentos comerciais essenciais e em áreas públicas de lazer.