Prefeitura do Rio reabre o Passeio Público e devolve mais uma área verde aos cariocas

Publicado em 16/01/2021 - 15:12 | Atualizado em 17/01/2021 - 16:38
O Passeio Público: reaberto após força-tarefa de recuperação e limpeza da área - Ricardo Cassiano / Prefeitura do Rio

O prefeito Eduardo Paes reabriu, neste sábado (16/01), o Passeio Público do Rio de Janeiro, o primeiro parque ajardinado do Brasil, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Esta foi a segunda área verde da cidade reaberta pela nova gestão: no dia 8, a Prefeitura devolveu o Campo de Santana aos cariocas.

– É importante que esses parques estejam abertos, até porque eles evitam aglomeração em outros pontos. É mais um espaço que a gente devolve aos cariocas. Queremos não só fazer esse ato de devolução, mas também de manutenção permanente a partir de agora. O Centro tem uma importância enorme para a gente, já devolvemos o Campo de Santana e, agora, o Passeio Público – disse Paes.

 

Os jardins do Passeio Público – Ricardo Cassiano / Prefeitura do Rio

 

Depois de dar uma volta pelo Passeio Público, o prefeito voltou a defender a reabertura de espaços públicos ao ar livre. E ressaltou que, de acordo com as orientações científicas, as áreas livres são um aliado no combate à Covid-19.

– Essa é uma determinação da Secretaria Municipal de Saúde e dos epidemiologistas. Eles que decidem, sigo aquilo que os técnicos têm dito. Eles acham que é muito importante que os espaços públicos de qualidade, como este aqui, estejam abertos para que a população possa espairecer. Claro que sempre guardando a devida distância e utilizando máscaras – frisou o prefeito.

Para recuperar o Passeio, fechado desde o início da pandemia, foi necessário fazer um mutirão de limpeza e recuperação do espaço. O trabalho conjunto foi coordenado pela Fundação Parques e Jardins (FPJ), vinculada à Secretaria Municipal de Meio Ambiente, e contou com esforço de diversas secretarias e órgãos municipais: Subprefeitura do Centro, Comlurb, Secretaria Municipal de Conservação, Secretaria Municipal de Ordem Pública e Guarda Municipal.

– A recuperação dos espaços verdes do Rio representa mais qualidade de vida à população. A Fundação Parques e Jardins está diariamente nas ruas, realizando diagnósticos e percorrendo parques e praças que precisam de uma atenção especial – destacou o presidente da Fundação Parques e Jardins, Fabiano Carnevale.

 

O Passeio Público, no Centro do Rio – Ricardo Cassiano / Prefeitura do Rio

 

A Comlurb fez 57 manejos de árvores no local, sendo 55 podas mecanizadas com 32 garis, que contaram com apoio de cinco caminhões com cesto aéreo e cinco para remoção de galhadas. Até a noite de sexta-feira, a companhia já havia removido 19,8 toneladas de resíduos. A Secretaria de Infraestrutura, por meio da Rioluz, ficou responsável pela revisão de toda a iluminação do Passeio Público. As equipes substituíram as lâmpadas apagadas, fizeram a reposição dos globos coloniais depredados e reconstruíram as redes de alimentação elétrica para restabelecer a iluminação pública.

A Seconserva se dedicou à recomposição dos pisos de pedras e de concreto, à reposição de tampas da rede de drenagem e à recuperação dos monumentos e das obras de arte espalhadas pelos jardins. O famoso Chafariz dos Jacarés, também conhecido como Fonte dos Amores, precisou de intenso reparo para a limpeza e a recuperação da sua estrutura. A FPJ realizou a poda de arbustos e o plantio de 300 mudas de forração.

– O Centro Histórico do Rio, principalmente o corredor entre a Lapa e a Cinelândia, sempre foi o espaço do encontro. Com os cuidados necessários por conta da Covid, estamos devolvendo à cidade mais um espaço fundamental. É mais saúde mental aos cariocas – reforçou o secretário municipal de Meio Ambiente, Eduardo Cavaliere.

População elogia a reabertura do espaço

Palhinha espera que o Passeio Público retome os bons tempos - Ricardo Cassiano/Prefeitura do Rio
Palhinha lembra da infância sempre quando volta ao Passeio Público – Ricardo Cassiano/Prefeitura do Rio

Morador da Lapa, o advogado Paulo Simões comemorou a reabertura do Passeio Público. Mais conhecido como Palhinha, ele diz que agora voltará a frequentar o espaço, como sempre fez desde o final dos anos 1960.

– Faz lembrar a nossa infância, vinha aqui nos fins de semana fazer piquenique com meus pais e amigos. As pessoas deixaram de frequentar por falta de segurança. Essa área serve de lazer para muito trabalhador aqui do Centro, que vem descansar na hora do almoço, conversar com os amigos – disse Palhinha, que relembrou que o Passeio Público ficava cheio nos fins de semana, quando tinha a feira dos colecionadores de selos e moedas.

 

O garçom Jesus diz que agora poderá levar a família para passear – Ricardo Cassiano/Prefeitura do Rio

Quem também ficou feliz com a reabertura do espaço foi o garçom Jesus Rodrigues de Mesquita. Cadeirante e morador da Glória há 40 anos, ele conta que a região estava abandonada pelo poder público.

– A reabertura está sendo muito importante para o nosso bairro e nossa cidade, ficamos muito satisfeitos. Antes, você se sentia inseguro para entrar aqui porque estava tudo largado, abandonado. Não tinha como você dar um passeio, trazer as crianças.

 

 

 

Passeio Público

O Passeio Público do Rio de Janeiro foi construído a partir de 1783 e, durante muitos anos, foi o grande ponto de encontro da população carioca nos séculos XVIII e XIX. São 33 mil metros quadrados tomados pelo Iphan, habitados por mais de 90 espécies vegetais de grande porte e por muitas aves que pousam nas árvores e nos jardins. Em seu interior pode-se contemplar, além de variadas espécies da flora nacional, obras de arte confeccionadas por Mestre Valentim.

  • 16 de janeiro de 2021