Coronavírus: Vigilância Sanitária apreende álcool gel 70% comercializado irregularmente em box da Ceasa

Publicado em 27/03/2020 - 15:54 | Atualizado em 27/03/2020 - 19:09
Agentes da Vigilância Sanitária fiscalizam loja na Ceasa. Foto: Divulgação / Prefeitura do Rio

A Subsecretaria de Vigilância Sanitária do Rio apreendeu nesta sexta-feira, dia 27, no box 49 do pavilhão 22 da Ceasa-Irajá, Zona Norte da cidade, 67 galões de 4.1kg de álcool gel 70% e 22 garrafas de 1 litro já envasadas que seriam comercializadas irregularmente. Na operação que contou com a Delegacia de Defesa do Consumidor (Decon) e foi acompanhada pela Superintendência de Irajá, que recebeu a denúncia, os fiscais identificaram que o estabelecimento fracionava o produto, mesmo sem licença para a atividade e sem nota fiscal de compra. No local, havia ainda 19 garrafões de 4.1kg já vazios. A loja foi infracionada por fracionamento indevido de álcool, falta de rotulagem no produto, falta de licença para a venda do produto, falta de higiene e por falta de procedência, num total de cinco multas. O dono e a gerente do estabelecimento foram conduzidos para a Decon.

– O consumidor deve estar sempre atento às condições dos estabelecimentos e só compre produtos com procedência, com rótulo e em comércios que tenham a licença sanitária em local visível. Desta forma, ele estará colaborando não só para minimizar práticas irregulares, como o fracionamento do álcool que representa riscos à saúde de todos – alerta a médica-veterinária Mônica Valim, coordenadora do Núcleo de Integração de Fiscalização em Ambientes de Trabalho (Nifat) da Vigilância Sanitária, que participou da operação feita por técnicos das coordenações de Alimentos e de Saúde do órgão, com o apoio de quatro policiais da Decon.

Com a operação na Ceasa, já são mais de dez estabelecimentos inspecionados pela Vigilância para conferir denúncias sobre a venda irregular de álcool gel 70%, produto indicado para a higienização das mãos e que, com a pandemia do coronavírus (Covid-19), ficou escasso no mercado. Mesmo com a redução de serviços diante do isolamento social, o órgão fiscalizador que integra a estrutura da Secretaria Municipal de Saúde mantém equipes 24 horas para atender a demandas da Central 1746, em especial, às relativas ao coronavírus.