SMASDH participa da Semana Nacional de Aprendizagem

Publicado em 20/08/2019 - 10:57 | Atualizado em 22/08/2019 - 17:12

Foi realizada nesta segunda-feira a abertura da Semana Nacional de Aprendizagem. O evento tem o objetivo de incentivar o cumprimento da legislação, que visa uma melhor capacitação dos jovens trabalhadores, trazendo benefícios às famílias, à economia e à sociedade.

Participam da organização do evento os órgãos que integram o Acordo de Cooperação para Combate ao Trabalho Infantil no Estado do Rio de Janeiro – Amatra 1, TRT 1, OAB/RJ, MPT, MPRJ, Defensoria Pública, Inspeção do trabalho/ME, Fepeti/RJ.

Participaram também do encontro entidades como a Unicef, a Fundação Roberto Marinho, a Associação Brasileira de Recursos Humanos/ABRH, o Conselho Regional de Contabilidade/CRC, Sindicato dos Contabilistas do Município do Rio de Janeiro/Sindicont-Rio, além de entidades formadoras, a exemplo do Ciee, Pastoral do Menor, CampMangueira, São Martinho, Instituto Brasileiro Pró-Educação, Trabalho e Desenvolvimento (Isbet) e o Instituto Brasileiro de Aprendizagem — Saber.

A Lei da Aprendizagem estabelece que empresas com mais de sete funcionários preencham entre 5% e 15% de seu quadro com jovens de 14 a 24 anos matriculados no Ensino Fundamental ou Médio ou que já tenham concluído o Ensino Médio. O programa é ignorado ou desconhecido por muitos empresários, que precisam de uma melhor compreensão da lei, que prevê a cota de aprendizes.

Por isso o objetivo é demonstrar que a contratação de aprendizes é um investimento que, além de beneficiar o próprio jovem, também qualifica o futuro profissional a ser contratado pela empresa.

Laura Negro de La Pisa, coordenadora do setor de responsabilidade social do supermercados Mundial fala da importância social que as empresas deveriam adotar e como funciona o programa nas filiais da empresa.

“Trouxemos a nossa experiência de 17 anos para o debate hoje e também viemos aprender e trocar com outros palestrantes. Não é porque é lei que a gente deve cumprir, mas porque a empresa tem uma responsabilidade social, a empresa precisa ser uma empresa cidadã. Além do mais, as pessoas e entidades que recebem cooperação também nos ensinam muita coisa” — disse Laura.

Lucia Madeira, da Associação Brasileira de Recursos Humanos do Rio de Janeiro (ABRH-RJ), disse que gestores e empresários, inclusive os menores, precisam contribuir. “Nós estamos aqui hoje para unir forças em prol do Jovem Aprendiz, pois várias organizações, a associação trazem a experiência dos profissionais de RH e tenta aproximar as empresas maiores dos projetos de aprendizagem. Queremos ampliar e sensibilizar, com esse programa, as empresas menores, de pequeno porte, que elas também podem contribuir e ter o mínimo da cota de aprendizagem, para que a gente possa reverter o quadro de desemprego dos jovens, que está grande”.

Hugo Almeida, de 25 anos, que começou como jovem aprendiz palestrou contando sua experiência no Banco Bradesco, onde é funcionário há nove anos.

“Conheci o Programa Aprendiz Legal, comecei tirando xerox, fui evoluindo, buscando sempre novas oportunidades, depois entrei na parte de operações de assistência ao cliente do banco, até me tornar o gestor que sou hoje” — disse Hugo orgulhoso da sua trajetória no banco.

Patrick Pereira, de 17 anos, é candidato da SMASDH, participou do evento e disse estar animado com os debates:  “Eu vim mais pra tentar trazer a minha contribuição como adolescente, candidato ao Programa de Aprendizagem, e também ver como o setor empresarial, como eles pensam acerca da Lei da Aprendizagem, como que isso está sendo executado lá na ponta” — completou Patrick.

O dia 21 será dedicado a 120 jovens cadastrados por entidades formadoras, vindos dos diversos territórios da cidade. Na sede do TRT/RJ serão realizadas oficinas com diversas atividades para jovens previamente selecionados, cujo objetivo é contribuir com informações úteis para o desenvolvimento no mercado de trabalho.

As oficinas incluem atividades de elaboração de currículo, dicas comportamentais para entrevistas de emprego, técnicas de fotografia e aula de percussão, entre outras. A presença dos jovens será viabilizada pela integração com seis instituições formadoras do Rio de Janeiro – Instituto Brasileiro Pró-Educação, Trabalho e Desenvolvimento (Isbet), Instituto Brasileiro de Aprendizagem (Saber), Círculo dos Amigos do Menino Patrulheiro da Mangueira (CAMP Mangueira), Associação Beneficente São Martinho e Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE).