SMASDH lança Exposição Vivências no Monumento a Estácio de Sá

Publicado em 02/08/2019 - 17:28 | Atualizado em 02/08/2019 - 17:51

“Exposição Vivências” é lançada pela 2ª CASDH, que conta com obras produzidas  por crianças, adolescentes e idosos, do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo, do CRAS Rosani Cunha. O Objetivo é promover as potencialidades artísticas do público, com produção de pinturas em tela, standarts, e artes em geral. A mostra acontece do dia 1 ao dia 15 de agosto, no Monumento a Estácio de Sá, que é considerado um espaço democrático.

Elias de Oliveira, curador cultural do monumento Estácio de Sá, falou sobre a mostra:  “É uma exposição que mostra a integração social das crianças e idosos assistidos pelo CRAS, na sociedade, por meio da expressão cultural. Das pinturas, dos standarts, dos quadros. Eles conseguiram se expressar e mostrar as suas vivências dentro das comunidades. E trouxeram para todos verem” — disse o curador informando que espera receber cerca de 700 pessoas.

Ana Júlia Pereira, de 15 anos, que pintou em tela uma mulher negra, explicou o motivo da pintura e o que ela queria expressar: “Eu pintei esta mulher negra e coloquei o nome dela de Barbie Negra. Ela representa todas as meninas negras. Eu queria que todas as meninas se sentissem representadas; eu queria me sentir representada ali — meus cabelos. Tem meninas que acham que os cabelos delas são feios por ser crespo, mas não é feio. É lindo” — assevera a jovem orgulhosa de sua obra.

Nísia Maria Pereira, de 69 anos, mostrou seu trabalho feito especialmente para as mulheres num standart. “Eu fiz o trabalho de pintar a Mona Lisa careca, para conscientizar as pessoas sobre o câncer de mama que atinge tantas mulheres, e a importância da sua prevenção” — disse Nísia, que participa do projeto há três anos.

O secretário João Mendes de Jesus prestigiou o trabalho dos integrantes do Serviço de Convivência do CRAS Rosani Cunha e falou da importância da exposição: “Estou muito feliz por participar de uma atividade, que tem por objetivo fortalecer as relações familiares e comunitárias, promovendo a integração e a troca de experiências entre os participantes, valorizando o sentido de vida coletiva. As intervenções lúdicas, culturais e esportivas são formas de expressão, interação, aprendizagem, sociabilidade e proteção social — disse o secretário emocionado por receber das mãos de Ana Júlia uma tela que ela mesma pintou.

Lorena Bruno, coordenadora da 2ª CASDH, fala do trabalho que foi feito no CRAS Rosani Cunha: “A arte é uma coisa que mobiliza os grupos e a gente vem nessa construção desde a primeira exposição que foram somente de telas, sendo que nesse segundo momento teve a ampliação para outros grupos. Saímos da produção de tela e estendemos para vários tipos de arte, standart, caixas de maçãs, recortes, até  em função das faixas etárias. Foi uma oportunidade de trazer os sonhos, trazerem as vivências” — contou Lorena, falando que cerca de 60 pessoas participaram do projeto.