Reunião entre órgãos municipais define metodologia e roteiro do Censo de população em situação de rua 2020

Publicado em 02/10/2020 - 16:45 | Atualizado

A Prefeitura do Rio promoveu uma reunião na última quarta-feira, dia 30/09/2020, para tratar de questões relativas ao Censo de população em situação de rua 2020. O encontro, que contou com representantes da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (SMASDH), do Conselho Estratégico da Cidade do Rio de Janeiro e do Instituto Pereira Passos (IPP), definiu pontos sobre a metodologia a ser empregada e o roteiro utilizado na aplicação da pesquisa.

O recenseamento, que estava programado para acontecer em março deste ano, teve de ser adiado por causa da pandemia de Covid-19, e a nova previsão é de que aconteça entre os dias 26 e 29 de outubro. Dados colhidos a partir de outras pesquisas não são levados em consideração, devido ao uso de diferentes metodologias, o que impede a comparação das informações. Além disso, os censos anteriores não levaram em conta certas peculiaridades da população em situação de rua.

Para a secretária da SMASDH Tia Ju, a execução desse projeto é um importante passo para o mapeamento da população em situação de rua, que possui maior vulnerabilidade social.

“O Censo será uma importante ferramenta para ajudar no planejamento e execução de políticas públicas para essa população. Este é um programa que não tem nenhuma marca de gestão, mas sim de radiografar a real situação da população de rua na cidade do Rio de Janeiro”, afirma Tia Ju.

Perguntas sobre o impacto gerado pelo novo coronavírus aos cidadãos em situação de rua foram adicionadas ao questionário que compunha o plano inicial. Além disso, o foco é recolher informações sobre idade, raça, gênero, escolaridade, trabalho e renda, trajetória nas ruas, avaliação de abrigos, saúde e uso de drogas, acesso e avaliação de serviços de assistência. O público-alvo do mapeamento abrange a população em situação de rua e os atendidos em unidades de acolhimento. Em caso de menores de 12 anos, serão entrevistados os responsáveis.

A realização do Censo conta com alguns desafios, como a dupla contagem e a cobertura integral de todo o município em curto período de tempo. Para contornar essas situações, as principais estratégias adotadas serão a divisão da cidade por regiões, três turnos de trabalho e o cruzamento de informações obtidas através de perguntas de identificação.

Os coordenadores de campo responsáveis pela aplicação do Censo de população em situação de rua 2020 serão os profissionais das Coordenadorias de Assistência Social e Direitos Humanos (CASDH), e a empresa contratada é a Qualistest, responsável pela realização de Censo similar na cidade de São Paulo em 2019.

Profissionais da SMASDH recebem menção honrosa pela atuação

Um ofício emitido pelo presidente-diretor do IPP, Cel. Paulo Cesar Amendola, elogiou a atuação de quatro profissionais na reunião ocorrida dia 30/09/2020, sendo dois deles pertencentes à SMASDH: a coordenadora da Coordenadoria Técnica de Programas de População de Rua, vinculada à Subsecretaria de Proteção Social, Nilceia Carneiro da Silva, e o engenheiro cartógrafo da Coordenadoria de Gestão da Informação da SMASDH, João Gabriel Gomes Gonzaga.

O documento ressalta a apresentação no Conselho Estratégico, e destaca a sugestão do tema a ser contextualizado, além do compartilhamento de valiosas informações e experiências com os participantes. Segundo o presidente-diretor do IPP, a atuação dos profissionais destaca “elevados graus de conhecimento e profissionalismo, além dos profícuos trabalhos desenvolvidos diariamente em prol da coletividade”.