Região Portuária ganha nova sede do Centro de Referência de Assistência Social Dodô da Portela

Publicado em 22/03/2022 - 20:19 | Atualizado

A carioca Larissa Rodrigues tem 24 anos, mora na Rua do Lavradio e sustenta sozinha as filhas gêmeas de dois anos, Diovana e Pérola, equilibrando o orçamento com o que ganha como camelô e com o Auxílio Brasil (antigo Bolsa Família). Atendida pelo Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) Dodô da Portela, ela comemora o novo endereço do equipamento, que nesta terça-feira (22/03) ganhou sede nova na Gamboa.

 

– É muito mais perto da minha casa, moro ali do outro lado da rua – conta ela, que procurou o CRAS para atualizar o CadÚnico (cadastro do governo federal para programas sociais) e voltou a receber o benefício federal no final de 2021.

 

Entregue à comunidade pela Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social, o CRAS deixou um endereço alugado para um espaço novo, na Rua Rivadávia Correia, cedido pela Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto (CDURP). Na base do Morro da Providência, onde mora a maioria dos usuários do equipamento, o local também abriga uma clínica da família. Em 2021, atendeu 17.120 pessoas de forma individual e realizou 2.746 novas inscrições no CadÚnico, além das 485 famílias em acompanhamento e 223 usuários no Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos.

 

– Quero ressaltar aqui a importância de a Assistência Social ter seus próprios equipamentos, além de seus próprios profissionais, por meio de concurso. Além das portas de entrada, que são os CRAS, estamos também construindo as portas de saída. E não falta vontade nessas profissionais para trabalhar por essa cidade. Estamos construindo a melhor Assistência Social que o Rio já teve – afirmou a secretária Laura Carneiro.

 

Com espaços amplos para o atendimento, a nova sede, além de mais próxima da população, também fica perto dos principais parceiros, como a Cidade do Samba, a Vila Olímpica da Gamboa e a UPP Providência.

 

– Moro há 15 anos no Morro da Providência, aqui é muito mais perto e fica mais fácil para a gente vir tirar dúvidas – conta Sheila Fernandes, 54 anos, casada e beneficiária do Auxílio Brasil há sete anos.

 

A baiana Erlaine da Silva Duarte tem 36 anos e desde os 11 mora com a família na Rua do Livramento, na Gamboa. Mãe de dois filhos, de 16 e 4 anos, ela é beneficiária do Auxílio Brasil (antigo Bolsa Família) e seu maior interesse como usuária do CRAS Dodô da Portela são os cursos de empreendedorismo, cabeleireiro e esteticista.

 

– Esse endereço é mais perto de casa, assim fica mais fácil ficar de olho nos próximos cursos que vão ser oferecidos –  diz a ex-trabalhadora do comércio que completa o orçamento como camelô e fazendo bicos de cabeleireira.

 

– Fiquei quase 30 anos para tirar uma certidão de nascimento. Ninguém acredita nisso! – diz a carioca Elaine Clemente de Souza, nascida há 29 anos numa ocupação próxima à Rodoviária Novo Rio e  que só agora vai registrar as duas filhas, de 11 e 7 anos, e tirar o Cadastro de Pessoa Física (CPF) para se inscrever no CadÚnico e tentar obter o Auxílio Brasil.

 

Na cerimônia, como representante dos usuários, Elaine contou só ter conseguido isso com a ajuda dos profissionais do Dodô da Portela, pois o pedido que havia feito antes, na Defensoria Pública, ficou parado por conta da pandemia.

 

– Também fiz curso de microempreendedorismo e de trancista – diz a camelô, que agora divide seu tempo de trabalho com o ofício de trançar os cabelos das vizinhas e assim incrementar o orçamento.

 

Com quase duas décadas de existência, o CRAS Dodô da Portela homenageia a primeira menor de idade a desfilar por uma escola de samba, Maria das Dores Rodrigues, que estreou aos 13 anos como porta-bandeira, conquistou 11 títulos pela Portela e faleceu aos 95, já parte da história do samba e do Morro da Providência. O CRAS que leva seu nome teve início no Morro do Pinto, no Santo Cristo, como o antigo Centro Municipal de Assistência Social Integrada (Cemasi) Machado de Assis – a nomenclatura CRAS só surgiu em 2006. De lá foi transferido para a Praça Marechal Hermes e, a partir de 2007, passou a se chamar CRAS Dodô da Portela, localizado na base da UPP da Providência. Em 2015 mudou-se para o endereço na Praça Marechal Floriano e agora volta a ter sede própria.

  • 22 de março de 2022