Projeto itinerante dará mais visibilidade a 48 mil famílias de baixa renda

Publicado em 19/02/2021 - 10:52 | Atualizado
O Complexo do Alemão, na Zona Norte, recebeu ação do programa Territórios Sociais no último dia de agosto. Foto: divulgação / IPPNovos dados do Bolsa Família sustentam projeto inédito de capacitação feminina da Assistência Social - Prefeitura do Rio

Para viabilizar, intensificar e fortalecer o acesso de cariocas ao Cadastro Único, a Prefeitura do Rio lança nesta sexta-feira (19/02), por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social, o projeto CarioCAD. Isso significa que, duas vezes por semana, um micro-ônibus irá aos principais bolsões de pobreza do município, de forma itinerante, para fazer inclusões e atualizações cadastrais o mais próximo possível da população. A meta é beneficiar 48 mil famílias em situação de extrema vulnerabilidade.

O Cadastro Único, que pode dar acesso a programas como Bolsa Família, Minha Casa, Minha Vida, Carteira do Idoso, Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) e Tarifa Social de Energia Elétrica, funciona como uma base de dados. Criado pelo Governo Federal, tem o objetivo de possibilitar um levantamento sobre como vivem os brasileiros mais pobres. Por isso é fundamental que as informações sejam atualizadas regularmente, mesmo que não haja mudanças. O cadastro identifica famílias com renda igual ou inferior a meio salário mínimo por pessoa ou renda familiar mensal de até três salários mínimos.

O CarioCAD tem como objetivo levar o serviço até o cidadão e facilitar o atendimento às famílias do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), com perfil elegível para acesso a programas como de transferência de renda direta, aproximando assim o poder público do morador da cidade.

Para se inscrever no Cadastro Único, o responsável familiar deve apresentar a seguinte documentação: CPF ou título de eleitor, documento de emissão nacional (carteira de identidade, carteira de trabalho ou certidão de nascimento) e comprovante de residência. Para outros membros da família é exigido documento de emissão nacional e, no caso de crianças e adolescentes, a apresentação também de declaração da escola.

  • 19 de fevereiro de 2021