SMASDH intensifica abordagem social na Zona Sul

Publicado em 27/06/2019 - 09:18 | Atualizado em 27/06/2019 - 16:32

Teve início hoje, em Copacabana, a Operação Intensiva de Abordagem Social integrada pela Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (SMASDH), em conjunto com a Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), bem como contou com as participações da Superintendência da Zona Sul, Comlurb, Guarda Municipal e policiais militares do Programa Rio+ Seguro. O trabalho será realizado diariamente, das 7h às 4h da madrugada, estendendo-se até o próximo sábado e sendo retomada na segunda-feira.

A Secretaria Municipal de Saúde também apoiará a operação dando o suporte necessário aos acolhidos em suas unidades na Zona Sul, sendo o Hospital Municipal Miguel Couto o principal ponto de apoio. O roteiro, nesse primeiro dia, teve início na Avenida N.S. de Copacabana, próximo à Rua Francisco Otaviano e se estendeu até a Praça Cardeal Arco Verde. O principal objetivo da ação é de ampliar a oferta de acolhimento à população em situação de rua, que circula na região, além de apoio para tratamento aos usuários de drogas.

As equipes dos órgãos municipais passaram pela Galeria Alaska, Praça Sarah Kubstischeck, Cine Roxy (Rua Bolívar), estação do metrô da Siqueira Campos e Praça Cardeal Arco Verde, além das ruas transversais à N.S. de Copacabana. No caminho, moradores do bairro conversaram com as equipes de abordagem e observaram que, ao mesmo tempo em que a população de Copacabana reclama da presença dos moradores de rua, mantém essa condição ao doar colchões e utensílios em geral e alimentação para essas pessoas.

A operação também ficou longe de ser marcada pela “higienização das ruas”, com a simples remoção das pessoas sem o devido atendimento de suas necessidades. A situação de Rafael Rocha, de 42 anos, serve como exemplo desse atendimento. Há dois anos nas ruas, Rafael é açougueiro e eletricista de alta tensão e disse que precisava dos documentos para voltar a trabalhar. “Tenho uma promessa de emprego num estabelecimento aqui próximo, mas não tenho carteira de trabalho” — afirma.

Rafael foi encaminhado para o CREAS Maria Lima, na Praça São Salvador, para providenciar os documentos e retomar sua vida. A ajuda a Rafael e, quem sabe, seu retorno a uma vida digna foi comemorada por Ubiraci Reis, o “Bira” da equipe da SMASDH, já conhecido por vários moradores de rua que o chamam pelo nome. “Sempre torço muito por essas pessoas que ajudamos a retomar suas vidas. Nós nos deparamos com essa situação diariamente e muitos querem mudar de vida, sair das ruas e arrumar um emprego” — diz emocionado.

Para o coordenador do programa Rio+ Seguro, coronel Baracho, a Operação Intensiva é muito importante não apenas pelo seu caráter de ordenamento, mas também pela abordagem social e por questões de segurança. Segundo ele, junto com os moradores de rua encontram-se também usuários de drogas e num bairro em que boa parte da população é composta de idosos, a questão da segurança é fundamental.

“Copacabana tem um grande contingente com mais de 60 anos e que se sente inseguro de andar nas ruas por conta dessa situação. Além disso, é claro, precisamos buscar dar melhores condições de vida a essa população em situação de rua, onde encontramos muita gente que não está satisfeita em ficar nessa condição” — conclui o coronel.

Na próxima terça feira, dia 2 de julho, será feita uma avaliação da Operação Intensiva de Abordagem Social para verificar os resultados das ações. Na próxima semana também serão feitas diversas reuniões com órgãos públicos, como Ministério Público, Defensoria Pública, Polícia Militar e Civil, entre outros, para discutir novas ações de abordagem social.