Casa Bibi Franklin comemora 13 anos de existência

Publicado em 01/06/2019 - 09:14 | Atualizado em 01/06/2019 - 13:54

A Casa de Convivência Bibi Franklin, equipamento da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (SMASDH), localizada na Tijuca, Zona Norte do Rio de Janeiro, comemorou hoje 13 anos de existência.

A Casa compõe o Projeto das Casas de Convivência e Lazer para idosos. Ao total são sete casas espalhadas pela cidade, que atendem os idosos de todas as regiões, pois o acesso à ela é permitido para os moradores do bairro, bem como para os bairros vizinhos.

A comemoração ocorreu durante toda à tarde e terminou no início da noite.

O tema escolhido para a festa foi dança cigana. Os idosos que frequentam a casa se reuniram com muita música, dança, poesia em um clima de alegria e gratidão.

O Secretário da SMASDH, João Mendes de Jesus, parabenizou todos os envolvidos. “Este trabalho é magnífico e merece todo o nosso respeito e consideração.

Nas Casas de Convivência, os idosos têm acesso à vida social, interação, benefícios para a saúde física e mental, sempre em busca de dignidade. “Parabéns a cada funcionário e ao usuário, que faz desta Casa exemplo a ser seguido” – enfatiza o secretário.

A subsecretária de Políticas da Pessoa Idosa, Sandra Julião, e a coordenadora técnica do projeto das Casas de Convivência para idosos, Flávia Furtado, estiveram presentes.

“O evento foi um sucesso. O usuário tem completa apropriação de que esse espaço é dele. Há 15 anos este projeto existe e esta Casa com cara de casa da vovó faz hoje 13 anos. É um prazer estar aqui com eles, porque essas pessoas sempre nos deixam felizes, até em dias tristes elas nos deixam felizes” – afirma Sandra.

 

Leoni Ferreira
Maria Elsa Cordeiro
Amadeu Coelho

 

 

 

 

 

 

Maria Elsa Cordeiro, moradora da Tijuca, conta que se não fosse o trabalho dos profissionais, ela nem estaria viva. Elsa recorda que passou por um problema de saúde com uma familiar e na Casa conseguia se desligar da situação.

“Não é só o apoio que encontramos aqui. As pessoas são maravilhosas. Damos muita risada e só tenho o bem pra falar deste lugar. Venho aqui todos os dias, faço yoga, dança, reflexologia, jogo cartas, aqui é maravilhoso” – considera.

Leoni Ferreira, de 80 anos, é usuária ativa da Casa, ela conta que frequenta o espaço desde a inauguração. Curada de um câncer de intestino, ela define o local como um lugar de diversão.

O aposentado Amadeu Coelho, de 65 anos, também gosta muito dos serviços da Casa. Ele lembra que começou frequentando o teatro e hoje participa do karaokê e das aulas de ginástica. “Faço as aulas em pé, e às vezes, até mesmo na cadeira, a professora coloca muita música e eu adoro” – diz Amadeo em meio às gargalhadas.

  • 1 de junho de 2019